Mais um caso de violência doméstica terminando em grande tragédia. Aconteceu na madrugada de quinta-feira, dia 3 de fevereiro, em Lagos, Portugal. O marido teria chegado embriagado a casa, tarde da noite, começado a brigar com a esposa, de 24 anos e grávida de sete meses. Durante a briga, a mulher teria pego uma faca e agredido fatalmente o marido. 

A mulher foi já detida pela polícia judiciária de Portimão, no Algarve. É ela, nesse momento, a principal suspeita por esse #Crime e poderá ser condenada a uma pena bem pesada caso se confirme sua autoria das facadas mortais. 

A emergência foi chamada por volta das quatro horas da madrugada e quando chegaram no local, o homem, de 23 anos, já se encontrava sem vida.

Publicidade
Publicidade

O cadáver foi retirado já depois das oito da manhã e foi levado para ser autopsiado. A mulher foi detida e está sendo investigada pela polícia judiciária. 

As primeiras informações liberadas pelos policiais dão conta de que o homem teria sido agredido em uma mão e também no peito, onde a mulher teria desferido a facada fatal, furando seu coração. Para já, se especula que a mulher teria respondido as agressões do marido. Após ele começar brigando e batendo, ela teria fugido para a cozinha, pegado uma faca com que acabou matando o marido e pai de seu futuro filho. 

Violência já durava há algum tempo

Esse casal teria já um passado relacionado com violência doméstica. Nas redes sociais, as pessoas até defendem a alegada agressora, que poderia ser a principal vítima nesse caso. É que apesar de estar grávida de sete meses, ela não deverá escapar de pegar uma pena de cadeia, ficando com sua vida destruída, bem como a desse bebê que vai nascer sem pai e, possivelmente, passar alguns anos de sua vida afastado da mãe. 

Joana escreveu no Twitter que a mulher "merecia vênias", por ser uma sobrevivente em um caso de grave de violência doméstica e por ter feito o que fez para salvar a ela e a seu bebê. 

E o leitor, acredita que essa mulher agiu em sua defesa? Merece ser condenada? Deixe seu comentário! #Família #Casos de polícia