O jornal israelense Maariv revelou, nesta última quinta-feira (10/03), uma reportagem em que atribui a Israel a criação do ISIS (#Estado Islâmico do Iraque e da Síria) no #Oriente Médio.

O diário cita que tanto o exército israelense quanto os serviços de inteligência gerais de segurança de Israel treinaram um grupo de combatentes radicais em uma região do Curdistão iraquiano. Depois de treinados, esses radicais se tornaram uma das principais colunas de uma corrente radical do Islamismo, o takfirismo.

O jornal alega ainda que o motivo pelo qual o ISIS foi criado é o desejo de mudança da geografia da região, já que Tel Aviv está rodeado por três inimigos – conforme o chamado acordo de Sykes-Picot – que querem o seu fim, como o HAMAS (Movimento de Resistência Islâmica da Palestina), o Movimento de Resistência do Líbano (Hezbollah) e Síria.

Publicidade
Publicidade

Com estes movimentos radicais Israel teria se sentido forçado adotar uma estratégia para alterar geograficamente a região.

De acordo com a fonte, depois do surgimento do DAESH (ISIS) na região, o regime israelense quase conseguiu seus objetivos, pois o grupo terrorista causou divisões e diferenças tanto no Iraque quanto na Síria. Além disso, muitos acontecimentos ocorreram em favor dos interesses israelenses, assim como foi aberto caminho para dividir esses países em Estados pequenos.

Mais acusações

Em 2014 Edward Snowden, ex-funcionário da agência nacional dos Estados Unidos, já havia acusados os EUA, Israel e Reino Unido de juntos terem criado a organização terrorista.

Através de uma estratégia chamada “ninho de vespas”, a inteligência dos Estados Unidos, do Reino Unido e dos Serviços Secretos de Israel criaram uma organização terrorista com capacidade de atrair todos os radicais do mundo, disse Snowden.

Publicidade

Os documentos revelados por ele apontavam que a única forma de proteger o “Estado judeu” seria “criar um inimigo próximo de suas fronteiras”.

Foi descoberto ainda que Abu Bakr Al Baghdadi, atual líder do ISIS, participou de treinamento militar intensivo durante um ano no Mosab, Instituto de Inteligência e Operações Especiais de Israel. Al Baghdadi também fez cursos de cursos de oratória e teologia na mesma instituição. #Terrorismo