Novas informações foram reveladas a respeito do macabro incidente ocorrido na Rússia, onde uma mulher foi presa, próxima à estação de metrô Oktiabrskoie Pole, de Moscou, carregando a cabeça decepada de uma menina da qual era a babá, e gritando que seria uma terrorista.

Testemunhas presentes no local disseram que a mulher, vestida de burca, e identificada como Gyulchehra Bobokulova, de 38 anos de idade e proveniente do Uzbequistão, teria andado pela estação com a cabeça da menina de 4 anos, identificada como Anastasia (Nastya) Meshcheryakova, durante aproximadamente 20 minutos, gritando em árabe que seria uma terrorista e iria se explodir.

Publicidade
Publicidade

Uma das testemunhas, Alexandra Shuvalova, relatou os momentos de terror que aconteceram na estação de metrô. Ela afirmou que viu a mulher de burca andando ao longo da rua, percebendo que ela tinha algo nas mãos, e a princípio, achou que fosse apenas cabelo ou algo parecido, como uma peruca. Alexandra disse que percebeu, depois de algum tempo, que a mulher estava carregando uma cabeça real, pois havia sangue escorrendo, pingando nos sapatos e saia de Gyulchehra Bobokulova.

Em choque, Alexandra alertou um segurança e 2 policiais, mas todas as pessoas que estavam no local tinham medo de se aproximar da mulher, pensando que ela seria, de fato, uma terrorista, como afirmava ser. A testemunha conta que, inclusive, um dos guardas que avistou a mulher, ao invés de tentar impedí-la, correu para dentro de um prédio, procurando por ajuda.

Publicidade

Nastya Meshcheryakova

A vítima de 4 anos, Nastya Meshcheryakova, nasceu em agosto de 2011, e devido a problemas no momento do parto, tinha dificuldades de aprendizado e não podia andar. Sua mãe, Ekaterina Meshcheryakova, e seu pai, Vladimir Meshcheryakov, já haviam levado Nastya para tratamento na China, e estavam economizando dinheiro para levá-la para a Alemanha, com o mesmo intuito de tratamento e melhora de sua qualidade de vida.

Os investigadores do caso afirmam que Gyulchehra Bobokulova, que já trabalhava para a família há 18 meses, esperou até que os pais e o irmão mais velho de Nastya, de 15 anos, saíssem do apartamento onde residiam, e então, cometeu o assassinato, iniciou um incêndio e deixou o local, indo para a estação de metrô, com a cabeça da criança em uma bolsa.

Serviços de emergência foram acionados para o controle do incêndio. Os bombeiros resgataram 4 pessoas no prédio de apartamentos, e na residência da família de Nastya, encontraram o seu pequeno corpo deitado em um berço, vestindo uma camiseta e shorts.

Publicidade

Investigação

Fontes próximas às autoridades revelaram que a mulher teria declarado que cometeu o assassinato por causa da traição de seu marido, que não tinha a intenção de causar um incêndio para destruir provas, mas que desejava ter o máximo de atenção para os seus atos, e queria que os pais da criança soubessem que Nastya estava morta.

Devido a essas declarações desconexas, investigadores suspeitam que Gyulchehra sofra de algum tipo de psicose, ou estaria drogada no momento do assassinato. Se a babá for considerada psicologicamente apta para ser julgada, poderá pegar uma sentença de até 20 anos de prisão.

Autoridades estão procurando pelo marido de Gyulchehra, e a investigação do caso foi assumida pelo FSB, o Serviço Federal de Segurança da Federação Russa, do qual Vladimir Putin já foi o chefe.

Assista ao momento em que Gyulchehra carrega a cabeça de Nastya pelo metrô, e ao momento no qual ela é presa (contêm cenas fortes):

#Europa #Crime #Investigação Criminal