Segundo noticiou o Daily News de Nova York, pais de duas crianças de 4 anos de idade foram presos, acusados ​​de abusar sexualmente de seus dois filhos e ainda permitir que amigos abusassem deles. A polícia do Condado de Horry, na Carolina do Norte, após investigações, descobriu as extensas e perturbadoras agressões sexuais cometidas por esses pais contra seus próprios filhos, um menino e uma menina, ao longo de um período de cinco meses. Após algumas denúncias no ano passado, ambas as crianças começaram a receber aconselhamento psicológico e foram se abrindo completamente aos terapeutas até janeiro.

De acordo com a polícia, investigadores receberam informações completas, em 25 de janeiro deste ano, de crimes sexuais cometidos contra duas crianças pequenas.

Publicidade
Publicidade

As crianças foram ouvidas pela polícia, que acabou confirmando que elas estavam sendo abusadas sexualmente por seus pais e amigos destes há bastante tempo.

Abusos sem fim

Conforme o relatório de conclusão da investigação, as crianças eram forçadas a realizar diferentes atos sexuais. Segundo o documento, além dos abusos dos adultos elas foram forçadas a terem relações uma com a outra ao longo de cinco meses, no final de 2014 para 2015.

Crimes em locais diferentes

Durante a investigação foi verificado que alguns dos ataques ocorreram em um local referido pelas vítimas como "o clube de dança." O que mais tarde foi identificado como Chez Joey, um clube de strip em Myrtle Beach, onde as crianças eram levadas para trabalhar com Lindsey D. Honeycutt, 29 anos, mãe das crianças e dançarina no clube.

Publicidade

Lá se encontrariam com o pai e amigos dos pais e sofriam os abusos.

De acordo com a polícia, as agressões sexuais ocorreram em três locais diferentes, no Strip Club Chez Joey e ainda em duas casas em Myrtle Beach, todos no Condado de Horry.

Os mandados de prisão são para quatro suspeitos pelos abusos e especificam os endereços onde os crimes teriam ocorrido. Atualmente as duas crianças se encontram sob a guarda de um tutor nomeado pelos Serviço Social da Carolina do Norte. #Família #EUA #Casos de polícia