O número de brasileiros que deixaram o Brasil para morar definitivamente no exterior subiu em 67% desde 2011. Isto se deve à crise brasileira, alto índice de desemprego e baixos salários, falta de segurança, saúde, entre outros motivos. A maioria das pessoas emigrando são qualificadas e por não conseguirem emprego em sua área, terem sido demitidas ou serem oferecidos um salário baixo, têm buscado oportunidades no exterior, além de buscar qualidade de vida melhor.

Muitos não querem arriscar ir morar longe e optam por países vizinhos, entre os favoritos estão a Argentina e o Chile. O Uruguai, país que foi por anos liderado pelo admirado presidente José Mujica e este ano substituído por Tabaré Vásquez, também está entre as opções viáveis, porém não é tão comentado devido a ser um país pequeno.

Publicidade
Publicidade

Para quem não sabe muito sobre o país, veja alguns motivos considerados bons por muitos sobre morar no país:

1 – Considerado por muitos como “a Suíça da América” ou "a Amsterdã da América";

2 – Casamento entre pessoas do mesmo sexo, uso da maconha e aborto são legalizados; 

3 – As praias e paisagens são bonitas, sem poluição e fazem-nos sentir em casa;

4 – É um dos maiores produtores de carne do mundo; 

5 – Possuem um substituto para o café, o mate;

6 – Cultura e gastronomia únicas; 

7 – O futebol famoso no Uruguai também nos faz sentir em casa;

8   Há menos impostos e mais segurança que no Brasil;

9 – Possui estabilidade política e econômica;

10 – País vizinho, o que facilita a visita aos parentes mais frequente.

Mas é claro que nem tudo são rosas, e como muitos países, o Uruguai também está em desenvolvimento.

Publicidade

Possui um custo de vida considerado relativamente alto dependendo da região e obviamente há violência e outros problemas assim como no Brasil. Você deve ter em mente também que se mudar para outro país lhe dará algum trabalho no começo, como ir atrás de documentação, procurar moradia, se adaptar ao novo local e muitas vezes, trabalhar em um emprego que não seja o seu sonhado até que consiga algo melhor, na sua área, ou até que seu espanhol melhore.

Emprego

Quem decide ir morar definitivamente no Uruguai geralmente precisa de emprego para se manter no país e é interessante que se saiba como anda o mercado no destino. 

Primeiramente, é válido comentar que a taxa de desemprego é baixa comparada a outros países e é de aproximadamente 5%. As maiores ofertas são para profissionais de TI, call center, engenheiros e consultores em vários segmentos.

Muitos brasileiros aceitam vagas iniciais para trabalhar com call center com português fluente e depois vão procurando com calma algo na sua área ou uma vaga melhor.

Publicidade

Não é tão fácil conseguir um emprego de chegada que pague mais que 20 mil pesos (1 real gira entre 7 a 8,5 pesos uruguaios, consultar câmbio atual). Existe zona que paga em dólar e que paga em peso uruguaio.

Sites como Linkedin, CompuTrabajo, BuscoJobs e Gallito podem ser de grande ajuda na hora de procurar vagas no país.

Processo de residência

Para quem quer morar no Uruguai, ter também permissão para trabalhar e ter os direitos de cidadãos locais, é necessário solicitar residência para o Ministério de Relaciones Exteriores.

O governo do Uruguai possui um acordo com o Brasil que permite que nós solicitemos residência no Uruguai sem ter que comprovar vínculo empregatício, o que facilita o nosso ingresso no país.

O processo não é tão trabalhoso quanto em outros países devido ao país fazer parte do Mercosul, mas envolve diversos processos em órgãos brasileiros e uruguaios. Obtendo a residência (que demora aproximadamente 30 dias), o brasileiro pode solicitar o "RG" uruguaio, e com isto pode morar e trabalhar legalmente no Uruguai.

Processo

Os documentos para solicitação da residência temporária são: RG, certidão de nascimento, 2 fotos 3x4, certificado de saúde, certificado de antecedentes, data de ingresso ao país e custo da residência (UR 2,10).

É claro que o processo e documentação pode mudar, então consulte sempre o site do governo para estar atualizado. #Crise migratória #Estudar no exterior #Trabalhar no exterior