O dono das viaturas e o sobrinho, o jovem motorista de 19 anos, podem ser acusados de homicídio involuntário por causa das práticas irresponsáveis que tinham no transporte dos seus clientes. Como foi publicado pelo “Jornal de Notícias”, essa acusação parece ser o mais provável por parte das autoridades francesas, depois de ambos, após terem saído das alas psiquiátricas, terem sido detidos para interrogatório na tarde de ontem, dia 29. A polícia francesa tenta ao máximo entender o que fez com que o jovem imigrante português batesse de frente com um caminhão, causando a morte de doze imigrantes portugueses.

Depois de muitos dias de investigação e interrogatórios às testemunhas que estiveram no local, as autoridades francesas vão conseguir finalmente conversar com o dono da empresa de transportes ilegais, bem como o seu sobrinho, um jovem imigrante de 19 anos, que nem sequer tem idade legal para ter a licença para transportar um número tão elevado de passageiros.

Publicidade
Publicidade

Tal como informa o “Jornal de Notícias”, as práticas assassinas, e que colocam o lucro à frente da segurança dos seus passageiros, alegadamente cometidas pelo dono das viaturas podem facilmente fazer com que ele, bem como o seu sobrinho que aceitou transportar os imigrantes em condições macabras, seja acusado de homicídio involuntário pela morte de 12 imigrantes portugueses, que estavam viajando de Friburgo, Suíça, e com destino a Portugal, em uma viagem que duraria no mínimo 20 horas.

Na verdade, as autoridades, que tentam agora reconstruir o micro-ônibus que ficou completamente destruído após o acidente, acreditam que pelo menos quatro pessoas viajavam sentadas em cadeiras de praia, visto que a viatura em questão apenas tinha lugar para nove pessoas, apesar de só estar registada para transportar seis.

Publicidade

Caso o óbvio se confirme, e com base nos depoimentos de ambos, que tiveram vários dias para recuperar do choque inicial, os dois homens, que já se encontra detidos, podem ser mesmo julgados na região próxima de Lyon, França, no que se pode transformar em dois julgamentos que ficarão para a história da comunidade imigrante portuguesa. #Europa #Investigação Criminal #Emigração