Dois refugiados sírios conseguiram parar a tempo um pedófilo que tentou estuprar uma menina de sete anos. Assim como publicou o jornal inglês “The Guardian”, os #Refugiados, que se encontram em um centro de acolhimento na Grécia, viram a tempo que um pedófilo estava tirando as roupas da menina para estuprá-la depois. Rapidamente, ambos conseguiram impedir o crime, fazendo #Justiça com as próprias mãos ao entregar às autoridades locais o homem, que não teve forma de fugir.

No meio de tanta desgraça e miséria, uma história comovente em um dos muitos centros de acolhimentos está emocionando o mundo. Quando tudo indicava que um pedófilo iria se aproveitar de uma menina indefesa, dois refugiados sírios, que desesperam para serem colocados em um país no norte da Europa, perceberam o que estava acontecendo e não tiveram receio de fazer o mais correto.

Publicidade
Publicidade

Como informa o jornal inglês “The Guardian”, teria sido o pai da criança, que totalmente desesperado, correu pelo centro de acolhimento pedindo ajuda aos presentes para pararem a tentativa de estupro. No momento em que o pedófilo já estava tentando tirar as roupas da menina, dois sírios conseguiram impedir o pior. Basha Al-Ali e Dldar Sedo são os nomes dos heróis que, tal como é visível em várias fotos publicadas pela imprensa internacional, seguraram muito bem o pedófilo até que ele fosse detido pelas autoridades competentes que estão no local acompanhando milhares de refugiados na Grécia que aguardam ansiosamente pela sua colocação na Europa.

Na verdade, e por causa da enorme #Crise migratória vinda da Síria, a Europa está demonstrado enormes dificuldades para conseguir responder às exigências que este fenômeno humanitário está provocando.

Publicidade

Por isso mesmo, e ao contrário do que foi inicialmente previsto e prometido, países como a Alemanha, que tencionava receber cerca de um milhão de refugiados em 2016, já teve a necessidade de mudar essa polícia, o que faz com que cada vez mais pessoas se acumulem nos centros de acolhimento, que não oferecem o mínimo de condições para as vítimas da guerra na Síria tenham uma vida digna com as suas famílias.