A Polícia francesa não tem dúvidas: Alexia Silva, emigrante portuguesa de 15 anos, foi assassinada de uma forma violenta. Tal como garante o jornal “Correio da Manhã”, para os investigadores do caso já não restam dúvidas de que Alexia foi violentamente assassinada e que depois da sua morte houve um enorme cuidado do assassino em esconder o corpo com plantas. Apesar de inicialmente não se suspeitar que tenha havido agressões sexuais, a verdade é que foram descobertas várias marcas de violência no corpo da jovem.

Foram precisos 40 dias para as autoridades francesas, juntamente com os cidadãos portugueses e franceses, conseguirem encontrar Alexia Silva, uma menina de 15 anos que, desde o dia 1 de fevereiro, nunca mais tinha sido vista.

Publicidade
Publicidade

O último contato que a jovem teve tido com o mundo foi através de uma mensagem de texto a uma amiga em Lyon, mas depois disso o telemóvel foi desligado.

Inicialmente, as autoridades pensaram que Alexia podia ter sido sequestrada, mas depois de tantos dias o mais provável é que uma tragédia tivesse acontecido. Foi precisamente isso que se confirmou ontem, dia 12 de março, quando a Polícia francesa encontrou o corpo da menina, muito escondido, em um local próximo onde ela tinha sido inicialmente dada como desaparecida. Apesar das autoridades não terem informado logo que pudesse ter sido um assassinato, as descobertas feitas nas últimas horas tiraram todas as dúvidas, tal como informa o jornal “Correio da Manhã”.

As autoridades responsáveis por esse caso macabro e que está chocando as comunidades emigrantes na França, incluindo a brasileira, já revelaram que descobriram marcas de violência no corpo de Alexia Silva, o que faz com que se conclua que os últimos momentos da jovem com vida foram um autêntico terror.

Publicidade

A Polícia francesa também informou que o corpo estava muito bem escondido, era quase impossível de ser visto e que, por isso, as investigações já começaram desde o primeiro momento em que foi confirmado o homicídio da jovem. Habitantes de Saint-Trojan-les-Bains, incluindo os familiares da menor, fizeram hoje uma marcha lenta em honra a Alexia Silva. #Europa #Crime #Investigação Criminal