Aproximadamente 95% dos oceanos da Terra permanecem inexplorados, e não é de se espantar que alguns fenômenos permaneçam um mistério. Em 1991, cientistas captaram pela primeira vez um ruído estranho proveniente das profundezas do Oceano Pacífico e que pode ser audível por praticamente toda a sua extensão.

A NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, dos Estados Unidos, batizou o ruído de Upsweep, ou Curva Ascendente, em português, descrevendo o fenômeno como “uma longa série de sons de varredura, de banda estreita, com vários segundos de duração cada”.

Também conhecido como "The Bloop", o estranho ruído já foi descrito como soando motorizado, mecânico e até eletrônico, mas o fato é que até hoje os cientistas não têm certeza do que o provoca.

Publicidade
Publicidade

O que os pesquisadores sabem é que desde 1994 o som tem diminuído gradualmente de intensidade, mas pode ser ouvido até mesmo nos dias de hoje e, segundo a NOAA, o pico de sua atividade ocorre entre a primavera e o outono no hemisfério norte (período que vai de março a setembro).

Teorias

Várias teorias já foram propostas numa tentativa de esclarecer o fenômeno. Inicialmente, cientistas especularam que o ruído poderia se tratar do canto de baleias ou vibrações causadas por navios, mas estas ideias acabaram sendo descartadas.

Uma outra explicação sugerida é a de que o som é causado pela atividade vulcânica no Oceano Pacífico, proveniente tanto de vulcões na superfície do mar, quanto submersos. Emile Okal, da Universidade de Northwestern, em Chicago, e Jacques Talandier, então trabalhando na Agência Francesa de Energia Atômica, propuseram, em 1996, que o ruído poderia se originar do contato da lava quente com a água do oceano.

Publicidade

Recentemente, Simone Baumann-Pickering, bióloga marinha do Instituto Scripps de Oceanografia, da Universidade da Califórnia, em San Diego, afirmou que o som aumenta de intensidade ao pôr do sol e ao amanhecer e que sua causa seria a flatulência liberada por cardumes de peixes quando se locomovem por profundidades diferentes na água, durante seus períodos de alimentação e repouso. Como a pressão exercida pela água varia em diferentes profundidades, os animais liberam o gás que possuem em suas bexigas natatórias com o intuito de mantê-las insufláveis enquanto se movem, uma vez que o órgão controla sua flutuabilidade, ou então o ruído seria alguma forma de comunicação.

Membros da comunidade ufológica classificaram a teoria de Simone como “ridícula”, e apostam na ideia de que o som é proveniente de equipamentos localizados em bases submarinas criadas por seres extraterrestres. Scott C. Waring, editor do site UFO Sightings Daily, acredita que o ruído só pode ser proveniente de equipamentos elétricos.

Publicidade

Teorias à parte, a própria NOAA ainda classifica a origem do ruído como "não resolvida". O vídeo a seguir apresenta o áudio misterioso, cuja velocidade foi reduzida em 20 vezes, para se tornar perceptível ao ouvido humano.

#Natureza #Curiosidades #EUA