O magnata Donald Trump continua disparando para todos os lados em sua campanha como pré-candidato à presidência dos Estados Unidos pelo partido republicano. Depois de criticar o atual presidente Barack Obama por conta de sua atuação pouco eficaz nos campos econômicos e sociais, seu alvo agora foi o senador Bernie Sanders, pré-candidato entre os democratas. Apontado como um político com ideais socialistas, Sanders é o principal concorrente de Hillary Clinton para concorrer à Casa Branca.

A confusão envolvendo o senador por Vermont e Trump aconteceu por conta de incidentes ocorridos na última sexta-feira (11), na cidade de Chicago, no estado de Illinois.

Publicidade
Publicidade

Segundo o magnata, a culpa pelo cancelamento do evento programado foi de total responsabilidade de Sanders. Sem poupar o rival, Trump o classificou como "nosso amigo comunista", e que os confrontos entre partidários dos dois pré-candidatos entraram em conflito por conta dos discursos radicais do senador.

Em sua conta no Twitter, o bilionário não poupou críticas contra Bernie Sanders. "O grupo organizado por alguém, muitos deles valentões, que cancelou os nossos direitos da Primeira Emenda em Chicago, energizou por completo os Estados Unidos!", disparou Trump, antes mesmo de toda confusão se generalizar. Trump sugeriu que Sanders comanda um grupo preparado e organizado para atrapalhar sua campanha, e que seus eleitores foram "provocados" por pessoas ligadas ao senador.

O republicano se amparou na Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos, que prevê a liberdade de expressão e de poder promover reuniões públicas.

Publicidade

Porém, o próprio Trump tem extrapolado sobre o que a Primeira Emenda se propõe, ao incitar seus eleitores com comentários racistas, preconceituosos e até com declarações à favor da tortura contra suspeitos de atos terroristas.

Em Chicago, os compromisso de Trump precisaram ser cancelados, após atos de violência, inclusive com ações abruptas da polícia, com manifestantes e jornalistas sendo impedidos de circular pela metrópole. O magnata, favorito disparado para concorrer à presidência entre os republicanos - mesmo contra a vontade dos líderes de seu partido - agora concentra suas atenções nas primárias que acontecem na próxima terça-feira (15), nos estados da Flórida, Missouri, Ohio, Carolina do Norte e Illinois, onde fica Chicago. #Eleições #Comunicação #EUA