Mais uma vez o pré-candidato republicano para as eleições presidenciais dos Estados Unidos soltou o verbo e provocou reações por todo o mundo. O magnata Donald Trump, favorito para disputar contra o adversário do Partido Democrata ao cargo de presidente, deu a entender que os muçulmanos - especialmente os britânicos - precisam colaborar mais para evitar que os terroristas continuem causando estragos.

Após o #Estado Islâmico promover um massacre na cidade de Bruxelas, capital da Bélgica, na terça-feira, dia 22 de março, deixando mais de 30 mortos e centenas de feridos, Trump disparou sua língua ferina e sua argumentação repleta de preconceitos.

Publicidade
Publicidade

O bilionário já havia tecido comentários deste tipo anteriormente, mas, desta vez, ele sequer teve a decência de respeitar a dor das famílias atingidas pelos ataques coordenados pelos jihadistas, generalizando a religião, praticamente os comparando com terroristas.

Em entrevista ao canal britânico ITV, nesta quarta-feira (23), Donald Trump foi incisivo sobre o que considera uma espécie de negligência por parte dos muçulmanos. "Quando eles veem problemas, têm que avisar, eles não estão avisando, definitivamente não estão avisando, e isso é um grande problema", analisou o republicano. Envolvido de corpo e alma na política agora, ele não nega que pretende conter ao máximo a entrada de muçulmanos em território norte-americano caso seja eleito.

A ministra britânica do Interior, Theresa May, criticou duramente Donald Trump e defendeu o povo muçulmano da Europa, ressaltando que uma minoria radical atua com a mentalidade destrutiva, e que este não é o momento de aquecer uma rixa entre religiões, mas sim promover pactos de união entre os mais diversos credos em todo o planeta.

Publicidade

Trump havia declarado o que considerou um "absurdo e uma desgraça" terroristas nascidos na Bélgica atacarem o próprio país, como ato de retaliação, após a prisão de Salah Abdeslam, provável articulador dos atos cometidos em Paris, em 13 de novembro de 2015. Salah Abdeslam foi preso pela polícia belga há cinco dias, durante operação da polícia em Bruxelas. O Estado Islâmico já anunciou que irá cometer mais ações contra as potências ocidentais. #Crise #Ataque Terrorista