Insultados e agredidos nas ruas polacas, quinze estudantes portugueses do programa Erasmus têm vivido um autêntico pesadelo desde que chegaram de Portugal em 3 de abril. Tal como garante o “Jornal de Notícias”, um dos portugueses desse grupo foi gravemente agredido quando saiu à rua, por um antigo militar de 38 anos, polaco, e se recupera agora no hospital, lutando pela vida. Ao que tudo indica, essas manifestações violentas dos locais são todas elas puramente racistas e xenófobas, sendo que muitos deles confundem os portugueses com jovens muçulmanos.

O programa Erasmus proporcionou ao longo dos seus muitos anos de existência excelentes viagens e aventuras a milhares de jovens estudantes por toda a Europa, mas a verdade é que um grupo de portugueses tem sido alvo de ataques violentos racistas e tiveram que ser completamente isolados e com segurança privada graças a um dos seus professores.

Publicidade
Publicidade

Na verdade, ao contrário do que fez a embaixada portuguesa na Polônia, que praticamente ignorou a agressão bárbara que o jovem português sofreu nas ruas, foi um professor polaco que tomou a iniciativa, do seu próprio bolso, mudar rapidamente o local onde estavam vivendo, um hostel nas primeiras semanas, para uma localização onde os polacos não soubessem por onde poderiam andar. O caso é tão grave que os jovens já garantiram que sempre que saem à rua temem pela sua segurança e, por conseguinte, a sua vida.

Nas redes sociais, muitos antigos participantes do programa Erasmus, muitos deles que até tiveram a sua experiência na Polônia, garantiram que nunca tiveram problemas com gestos ou agressões racistas, garantindo que possivelmente teria sido com a entrada de refugiados sírios que a população polaca, sempre que vê uma pessoa com feições parecidas, associa os estrangeiros a muçulmanos.

Publicidade

Apesar de ainda não se saber de qualquer tipo de resposta da embaixada portuguesa na Polônia, a verdade é que a situação está longe de estar controlada, sendo que o professor que acabou ajudando os portugueses admite ter vergonha dos seus compatriotas por tratarem e colocarem em perigo os portugueses que tratam tão bem os polacos quando vão para Portugal. #Investigação Criminal #Estudar no exterior #Racismo