As autoridades alemãs têm a certeza absoluta que os últimos minutos de vida da imigrante portuguesa foram de uma “violência extrema”. Tal como informa o “Jornal de Notícias”, a autópsia feita ao corpo, que foi totalmente desmembrado, além de ter conseguido identificar a vítima, que estava desaparecida desde o passado dia 9 de abril, também detectou sinais arrepiantes de violência e ódio. O namorado da vítima, que foi quem confirmou  a identidade de Maria, já garantiu que não sabe como é que alguém foi capaz de fazer uma coisa dessas a uma pessoa “social e alegre”.

Foi na quinta-feira passada que a primeira parte do corpo de Maria, o seu tronco, foi descoberto por um habitante de uma pequena localidade alemã.

Publicidade
Publicidade

Depois de vários dias de buscas no rio, as autoridades alemãs conseguiram completar o resto do cadáver da vítima que, sem sombra de dúvidas, foi assassinada de uma forma macabra e verdadeiramente cruel.

Com a ajuda da autópsia, rapidamente se percebeu que esse caso não tinha sido um simples homicídio, mas sim um #Crime que envolveu uma violência extrema a uma imigrante portuguesa que, provavelmente, acabou por ter uma morte muito dolorosa. Segundo informa o “Jornal de Notícias”, a vítima não tinha morada fixa na Alemanha, apesar de já viver no país há cinco anos e não deixa de ser muito estranho o fato do seu namorado de longa duração não ter informado o desaparecimento da mulher depois dela ter ficado ausente durante muitos dias.

As investigações vão agora começar e apenas se sabe que não há um suspeito óbvio para a morte de Maria, sobretudo porque aparentemente a imigrante portuguesa não tinha grandes problemas com ninguém e era muito simpática para todo o mundo.

Publicidade

Nas redes sociais, os imigrantes portugueses estão arrasados com a notícia de mais uma morte horrenda na sua comunidade, tentando entender agora o que realmente se passou com Maria. As autoridades divulgaram a fotografia da vítima par tentaram recolher o máximo de testemunhas possíveis que ajudem a desvendar esse mistério arrepiante. #Investigação Criminal #Emigração