Depois de terem sido ouvidos pelas autoridades francesas pela primeira vez, o dono da viatura e o seu sobrinho, motorista que dirigia o micro-ônibus no momento da tragédia, vão continuar detidos pelo menos até à próxima segunda-feira. Segundo informa o jornal “Correio da Manhã”, as autoridades francesas concluíram que há motivos suficientes para acusar os dois portugueses de 12 homicídios involuntários, sendo que, por isso mesmo, e como medida de segurança, o seu destino imediato pode ser a prisão preventiva.

Apesar do advogado dos dois acusados ter garantido que pelo menos o jovem motorista tinha sido honesto nas suas declarações às autoridades francesas, garantindo não se lembrar do que aconteceu no momento do acidente, a verdade é que as autoridades têm vários motivos para indiciar o jovem e o dono da viatura de homicídios involuntários.

Publicidade
Publicidade

Além do jovem não ter idade mínima para dirigir doze passageiros, a viatura estava destinada para apenas transportar no máximo seis pessoas, o que significa que pelo menos metade não tinha as condições mínimas de segurança.

Por isso mesmo, e como publicou o jornal “Correio da Manhã”, o dono da viatura, que é o alegado responsável pela empresa ilegal de transportes, está também sendo acusado, por saber de tudo o que se estava passando e claramente preferindo o lucro à segurança dos seus clientes, em viagens que tinham uma duração média de 20 horas. Depois de várias buscas, não se sabe ao certo onde se localiza a segunda viatura, semelhante à dirigida pelo jovem, que estava sendo dirigida pelo dono da empresa, que a teria escondido para a polícia não ter mais provas contra ele.

Ainda assim, e mesmo depois das confissões de ambos, as conclusões tiradas pelas autoridades francesas são verdadeiramente chocantes e revelam uma dura realidade que várias dezenas de imigrantes portugueses têm que viver semanalmente: serem transportados sem o mínimo de condições de segurança.

Publicidade

Por isso mesmo, o destino de ambos parece ser cada vez mais sombrio e, pelo menos por enquanto, a detenção é uma certeza, sendo que a prisão preventiva para ambos também parece ser algo inevitável dadas as provas claras presentes no caso contra ambos. #Europa #Investigação Criminal