Após seis horas de interrogatório, as autoridades francesas chegaram à conclusão que há muitas razões para avançar com um julgamento contra o jovem motorista e o dono das viaturas, o seu tio. Como publicou o jornal “Correio da Manhã”, a polícia garante que houve “falta de consciência” de ambos ao prestar um serviço que colocaria em sério perigo os seus clientes. Por isso mesmo, e depois de também serem ouvidas várias testemunhas, uma ultrapassagem mal calculada, ainda que não a alta velocidade, fez com que a viatura chocasse de frente contra o caminhão, matando doze pessoas.

Depois de vários dias em alas psiquiátricas, onde o jovem motorista confessou que queria se matar, um longo interrogatório fez concluir que a prisão preventiva é a medida mais acertada aos olhos do Ministério Público, para os dois acusados.

Publicidade
Publicidade

Além do perigo natural de fuga, a dificuldade de ambos se deslocarem para França, visto que vivem na Suíça, são as duas razões apresentadas pelo Ministério Público.

Contudo, e tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, o jovem motorista, que quer fazer de tudo para ficar em liberdade até ao julgamento, pode ter algumas hipóteses de que isso aconteça. Os seus advogados apresentaram uma proposta em que, ou através de uma caução na ordem das centenas de milhares de euros, ou então ficar sob a responsabilidade dos seus familiares em Paris, podem fazer com que o jovem evite a prisão, pelo menos para já.

Na verdade, desde as primeiras horas que as autoridades desconfiaram da segurança dos passageiros e se o jovem tinha idade suficiente para transportar um número tão elevado de passageiros.

Publicidade

Com uma ultrapassagem mal calculada, além de ter marcado uma das páginas mais negras da comunidade imigrante portuguesa, o jovem imigrante arrisca uma pena de prisão de dez anos, bem como uma multa que pode fazer com que os seus familiares fiquem na miséria. Porém, e ainda antes do julgamento, o jovem luta para ficar fora da cadeia nos próximos meses, sendo que a decisão oficial do juiz francês apenas será conhecida na próxima segunda-feira. #Europa #Investigação Criminal #Emigração