As autoridades inglesas garantem que o crime do desaparecimento de Maddie McCann está finalmente resolvido: a pequena inglesa foi raptada por um grupo de três assaltantes portugueses. Tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, a investigação inglesa aponta três nomes de alegados assaltantes de resorts de férias como os culpados pelo rapto e possível homicídio da menina: José Silva, Ricardo Rodrigues e Paulo Rebelo. Ao que tudo indica, os três estavam tentando assaltar o apartamento onde a família McCann estava hospedada, tendo sido obrigados a raptar a criança de três anos para não serem denunciados.

Depois de nove anos de investigações, muitos interrogatórios e sobretudo muitas suspeitas, o crime mais midiático de Portugal, que envolveu o rapto de uma menina inglesa, está finalmente resolvido na perspetiva dos ingleses e afinal se trata de um grupo de assaltantes que cometeram um ato precipitado de raptar uma criança.

Tal como informa jornal “Correio da Manhã”, o grupo de assaltantes portugueses até já foi interrogado pela polícia portuguesa na altura do desaparecimento de Maddie, mas nunca houve até hoje motivos para suspeitar do trio.

Publicidade
Publicidade

Para as autoridades inglesas, a intenção do grupo não era raptar ninguém, até porque nunca foi feito um pedido de resgate, mas sim um mero assalto, como o grupo de amigos, relativamente jovens, costumava fazer regularmente em zonas turísticas no Algarve, uma região a sul de Portugal que é muito frequentada por turistas, sobretudo do Reino Unido.

Após muitas suspeitas lançadas aos pais da pequena Maddie McCann, que deixaram os três filhos pequenos sozinhos no apartamento enquanto se divertiam com os amigos a centenas de metros dos filhos, a verdade é que o casal parece agora ter contado sempre a verdade para a imprensa internacional e à polícia, que nunca puniu os pais por terem abandonado os seus filhos menores à noite. Nas redes sociais, muitos portugueses não acreditam, apesar das provas, no desfecho improvável de um dos crimes mais falados de Portugal e que, passados nove anos desde o sucedido, ainda é falado regularmente nos noticiários portugueses.

Publicidade

#Europa #Investigação Criminal