Barack Obama alertou que a organização terrorista Estado Islâmico está tentando obter bombas atômicas, e pediu para que líderes mundiais reforcem a segurança de seus estoques nucleares. "Não há dúvida de que se esses loucos tivessem em suas mãos uma bomba nuclear ou material nuclear, eles iriam usá-los para matar tantas pessoas inocentes quanto possível", disse ele.

O Primeiro Ministro britânico, David Cameron, também advertiu que cidades britânicas poderiam ser alvos de um ataque da organização terrorista, lançado com a utilização de drones, disponíveis, por exemplo, em sites como a Amazon.

Material nuclear desaparecido

A situação é tão preocupante que líderes mundiais de mais de 50 nações se reuniram em Washington, capital dos Estados Unidos, para uma cúpula de segurança nuclear, em uma tentativa de evitar uma possível guerra mundial, que seria desencadeada por um ataque atômico.

Publicidade
Publicidade

No entanto, a cúpula foi boicotada pelo presidente russo, Vladimir Putin.

Obama declarou durante a reunião da cúpula que há pelo menos 2 mil toneladas de material nuclear no mundo que estão desaparecidas. Infelizmente, parte deste material pode estar relativamente acessível para o Estado Islâmico, proveniente do Paquistão, por exemplo, que possui uma rivalidade histórica com a sua vizinha Índia (ambas as nações possuem armamentos nucleares).

Paquistão

Em 1998, o Paquistão explodiu cinco dispositivos nucleares subterrâneos nas montanhas da região do Baluchistão, como parte de uma corrida armamentista contra a Índia. Em 2015, o site de notícias britânico Express relatou que o #Estado Islâmico estava preparando uma investida para capturar justamente este território, que é conhecido como sendo o centro do programa de armas nucleares do país.

Publicidade

 A nação paquistanesa possui atualmente cerca de 120 ogivas nucleares, que podem ser lançadas a partir de mísseis com um alcance de 2.750 km, permitindo que, em um ataque, fosse possível atingir alvos na Índia, Rússia e Oriente Médio. Até o momento, o país permanece fora do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares e do Tratado para a Proibição Completa de Testes Nucleares. #Terrorismo #EUA