O caso aconteceu em 2014, mas só agora o único sobrevivente do espancamento realizado por um grupo de assaltantes em Saragoza, na Espanha, foi formalmente identificado. Tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, o motorista português, que juntamente com o seu colega de profissão, também português, foram espancados por terem saído de um cassino com sete mil euros, conseguiu reconhecer um dos agressores, que acabou por admitir o assalto, mas não o homicídio do outro português que, após o espancamento, acabou morrendo três dias mais tarde.

Era uma noite divertida e lucrativa para os dois imigrantes portugueses em 10 de abril de 2014, quando os dois motoristas foram surpreendidos por um grupo de assaltantes que usou a violência barbara para conseguir roubar as fichas do cassino que valiam um montante que rondava os sete mil euros.

Publicidade
Publicidade

Segundo informa o jornal “Correio da Manhã”, apesar de António Manuel, o único sobrevivente, ter conseguido resistir aos graves ferimentos que teve, a verdade é que o português perdeu grande parte da força em um dos seus braços, tem constantes dores de cabeça e ficou com problemas de visão, bem como a total incapacidade de voltar a trabalhar, isto depois de ter lutado no hospital local durante 192 dias seguidos até conseguir ficar em uma situação física estável.

Agora, e passados dois anos após os crimes, o primeiro responsável foi encontrado e as autoridades estão agora investigando as possíveis ligações que o espanhol Noé Arteaga possa ter com outras pessoas ligadas aos crimes, principalmente agora que o espanhol garantiu que participou no assalto, mas que não foi responsável pelo homicídio do português e nem tinha a intenção de espancar de forma barbara ninguém, apenas sim tentar intimidar os dois portugueses.

Publicidade

Segundo o único sobrevivente, os dois foram agredidos com tacos de beisebol e barras de ferro, tendo sido considerado um verdadeiro milagre António Manuel ter conseguido sobreviver a um espancamento tão violento e macabro em plena rua de Saragoza. #Justiça #Europa #Investigação Criminal