Uma explosão de gás na capital francesa provocou 17 vítimas, todas elas feridas, sendo que até ao momento as autoridades não confirmaram nenhuma morte. Em entrevista ao jornal “Correio da Manhã”, uma imigrante portuguesa, em representação de outros portugueses que estavam em sua loja, garantiu que todos sentiram o chão tremendo, sendo que, por alguns minutos, foram vividos alguns momentos de pânico e terror, sobretudo pela suspeita que pudesse ser um novo ataque do Estado Islâmico.

Em uma altura em que a #Europa está em alerta máximo, sobretudo a Bélgica e França, qualquer incidente causado nas capitais desses dois países são rapidamente associados ao terrorismo do maior grupo terrorista do mundo, que alegadamente tem uma das suas maiores células nos arredores de Paris e onde pelo menos um jihadista já foi detido na última semana.

Publicidade
Publicidade

Porém, dessa vez, e ao que tudo indica, Paris abalou, mas devido ao acidente, que provocou uma grande explosão de gás no sexto bairro da cidade.

A explosão foi tão forte que, além das 17 vítimas, o prédio ficou parcialmente destruído, sendo que vários prédios tiveram que ser evacuados por precaução. Tal como garantiu ao jornal “Correio da Manhã”, a imigrante portuguesa, que estava trabalhando a cerca de 700 metros do local, sentiu e ouviu o enorme impacto da explosão, o que fez com que alguns membros da comunidade imigrante portugueses rapidamente pensassem o pior.

Rapidamente, para não causar ainda mais pânico sobre a sua população, que conhece perfeitamente os riscos de um novo atentado do Estado Islâmico, as autoridades francesas informaram que o incidente em nada estava relacionado com um atentado e que a situação já estava controlada.

Publicidade

Nas redes sociais, muitas são as fotografias do prédio destruído pela explosão do gás, ainda em chamas, precisamente no meio de um dos bairros mais luxuosos da capital francesa. As vítimas foram rapidamente transportadas para um hospital local onde foram assistidas e, pelo menos para já, as autoridades não informaram a imprensa internacional se alguma delas está correndo perigo de vida. #Investigação Criminal