Em mais um caso de intolerância racial e violência policial desnecessária o jovem Tamir Rice foi cruelmente abatido por policiais em novembro de 2014. Agora um processo movido contra a cidade de Cleveland, local onde ocorreu o assassinato, garantiu a família da vítima um pouco de conforto em sua luta contra a impunidade dos responsáveis.

A morte de Tamir Rice

O jovem Tamir Rice de apenas 12 anos de idade saiu para brincar em uma praça próxima a sua casa, como costumava fazer todos os dias, sem saber que naquele dia 22 de novembro de 2014, ele não voltaria para casa. O garoto segurava uma arma de brinquedo e corria pelo parque fingido atirar como qualquer criança faria com um brinquedo desses.

Publicidade
Publicidade

Foi neste momento que os policiais chegaram ao parque.

De acordo com o depoimento dos policias, o jovem apontava o brinquedo na direção de várias pessoas quando eles deram a ordem para que o garoto largasse a arma e levantasse suas mãos. Os policiais alegaram que Tamir não seguiu a ordem dada os levando a disparar contra o garoto. Ele foi encaminhado ao hospital, mas morreu devido aos ferimentos no dia seguinte.

Depoimento versus Vídeo

Será mesmo que um garoto iria desobedecer uma ordem direta dos policiais? Porque Tamir, uma criança de 12 anos, faria tal coisa se somente carregava um brinquedo inofensivo?

A história contada pelos policiais desafia não só o senso comum mas também se mostra incompatível com uma evidência essencial para a solução do caso: o vídeo de uma câmera de segurança.

Publicidade

O vídeo mostra uma versão bem diferente da contada pelos policias. Nele podemos ver Tamir brincando no parque e em seguida se sentando em uma cadeira de baixo de um coreto e onde fica por alguns minutos. De repente o carro da polícia invade o parque em alta velocidade e para de maneira abrupta diretamente atrás de onde Tamir estava.

Os policiais saem do carro antes que ele possa parar completamente já com suas armas sacada e em menos de 2 segundos o oficial Timothy Loehmann dispara duas vezes contra o estomago de Tamir a queima-roupa que cai no chão em estado grave. Os policias ainda deixaram de prestar socorro a Tamir que só é atendido com a chegada de agente paramédico do FBI 4 minutos depois.

Decisão da Justiça e resposta da família Rice

Apesar do caso que levou a morte de Tamir ter ocorrido em novembro de 2014 o julgamento só foi feito em dezembro de 2015, onde de acordo com os advogados da família Rice o julgamento foi conduzido de maneira desonesta: “O promotor do condado de Cuyahoga, Timmothy McGinty, enganou e manipulou o grande júri, a fim de orquestrar um voto contrário à acusação”.

Publicidade

O júri teria sido levado então a decidir injustamente a favor dos policiais num julgamento arranjado e atrasado.

Com base nestas alegações e nas imagens do vídeo os advogados da família Rice recorreram da decisão processado a cidade de Cleveland junto ao estado que decidiu em favor da família Rice. Um comunicado divulgado pelo Tribunal Distrital de Cleveland nesta segunda-feira diz que a cidade deverá pagar uma indenização de US$ 6 milhões (R$ 21,3 milhões) sendo 3 milhões neste ano e 3 no ano que vem. #Crime #EUA