Uma mulher na Inglaterra se sente indignada, após os serviços sociais terem ameaçado retirar um de seus filhos bebê. Ryan, de dois anos, é um dos bebês gêmeos de Adele Joicey, uma mulher de 41 anos que está criando os filhos sozinha, uma vez que o marido está trabalhando fora. O problema maior é que Ryan sofre de paralisia cerebral e para os serviços sociais, Adele poderia não ter capacidade para cuidar do bebê sozinha. A mulher considera tudo isso lamentável e dá o exemplo de outros pais que cuidam sozinhos dos filhos e aponta os casos de pais que consomem drogas e álcool e seus filhos não são retirados.

O pesadelo de Adele começou quando ela levou Ryan ao médico, com um problema no ouvido.

Publicidade
Publicidade

Ao examinar o menino, o médico encontrou uma marca pequena em seu peito. Perguntou para a mãe o que teria acontecido e ela respondeu que não sabia, acreditando que poderia ser uma ferida provocada por ele ter tocado com o peito no chão ou em qualquer local, uma vez que o menino já se movimentava sozinho por toda a casa, apesar de ter dificuldades de mobilidade. 

A essa altura, Adele nem acreditava que o médico poderia estar pensando que essa marca teria sido provocada por maus tratos. No entanto, o médico denunciou o caso para os serviços sociais e desde então, Adele ficou referenciada. Em causa, falaram de uma "lesão não acidental" e começaram escrutinando a vida dessa mãe. Mesmo sem concluírem que essa lesão fosse uma agressão, os serviços sociais ingleses ameaçaram retirar Ryan de Adele.

Publicidade

Mais tarde, deixaram um ultimato para Adele: ou ela arranjava uma outra pessoa para tomar conta do bebê ou então eles iam dar o menino para adoção. 

Com o marido trabalhando fora, Adele ainda pensou em apelar para sua mãe pedindo ajuda. Mas, para ela já era uma questão de honra e uma vez que não tinha feito nada de errado, se recusou a pedir por essa ajuda. Mais tarde, Ryan foi transferido para um outro hospital, por causa de sua doença, e os médicos consideraram que o menino estava bem tratado e que não fazia sentido essa mãe estar sendo sondada. 

Ryan tem um irmão gêmeo, Luke, que não tem necessidades especiais. No entanto, Adele tem uma outra filha, Eme, de seis anos, que também necessita de cuidados especiais. Apesar disso, a mulher acredita ter sido vítima de alguma discriminação por seu filho sofrer de paralisia, apesar de ela tratar bem dele.  #Família #Europa