Um colega de escola de Alexia Silva, detido há poucos dias pelas autoridades francesas, acabou por confessar ser o autor do assassinato da jovem portuguesa. Tal como informa o jornal “Le Parisien”, o jovem de 16 anos, apenas um ano mais velho que a vítima, aproveitou que Alexia estava sozinha à frente da escola onde ambos andavam para estrangular, espancar e depois esfaquear a jovem, que viveu minutos verdadeiramente macabros. Depois de mais um mês de investigações sem nenhum detido, as autoridades conseguiram apanhar o assassino porque este ainda tinha o celular da vítima na sua posse.

Foi preciso mais de um mês para conseguirem encontrar o corpo e ainda mais um para conseguirem encontrar o verdadeiro culpado de um dos crimes mais horrendos da comunidade imigrante portuguesa, mas a verdade é que as autoridades francesas conseguiram decifrar um #Crime de difícil resolução devido à sua imprevisibilidade.

Publicidade
Publicidade

Sem cadastro e problemas psicológicos anteriormente detectados, o jovem de 16 anos, que acabou por confessar o crime e revelou todos os detalhes do mesmo, não resistiu a um “não” de Alexia Silva quando tentou namorar com ela, uma resposta que o deixou verdadeiramente louco. Tal como informa o jornal “Le Parisien”, o jovem, quando questionado pelas autoridades francesas, garantiu que depois de estrangular, espancar e esfaquear a zona da barriga da jovem, decidiu enterrá-la por baixo de alguns arbustos em uma ilha deserta onde praticamente ninguém passa por lá, apenas ficando com o seu celular e os fones de ouvido.

Foram precisamente esses dois objetos que acabaram por denunciar o colega de escola de Alexia Silva que, completamente encurralado, não teve outra alternativa se não admitir os crimes e explicar o motivo da fúria para com a jovem imigrante portuguesa.

Publicidade

Nas redes sociais, o grupo “Alexia Silva Costa”, administrado por familiares da vítima, dizem estar chocados pelos contornos do crime, que significaram uma verdadeira tortura durante muitos minutos para Alexia, mas também garantem estar agora em paz por finalmente saberem quem foi o responsável e porque nos próximos meses se vai fazer justiça. #Europa #Investigação Criminal