O caso está chocando o Reino Unido. Um casal teria negligenciado o bebê de apenas um mês durante cerca de 24 horas. Enquanto isso, pai e mãe ficaram bebendo com amigos e nem lembraram de onde colocaram o menino. Freddie Neil, de um mês, foi encontrado no chão do quarto do seu irmão mais velho, entalado entre a cama e a parede. Sua morte foi declarada já no hospital de Blackpool. 

O caso aconteceu durante o Natal e o casal teria saído de casa para beber com uns amigos e teriam regressado juntos para casa. Os pais, Matthew Neil e Kim Smart-Neil, foram detidos por comportamento negligente, mas acabaram sendo libertados por "falta de provas".

Publicidade
Publicidade

A criança sofria de bronquite, mas os resultados da autópsia não teriam sido conclusivos. Uma médica patologista acredita que a morte do bebê poderia ter sido provocada por ter dormido em "condições inseguras". Para efeitos judiciais, não ficou provado que os pais foram os responsáveis pela morte do menino.

Para dificultar mais ainda este caso, os pais não se recordam como tudo aconteceu. A mãe contou que esteve com o bebê por volta das cinco horas da manhã e que o pai ficou com ele até por volta das seis horas, altura em que os amigos do casal teriam deixado a casa. Fim de farra e foram todos dormir. 

No entanto, Matthew, que tem problemas de alcoolismo, desconhece como é que o pequeno Freddie foi parar no quarto do irmão mais velho. Aliás, nenhum dos dois soube esclarecer quem colocou o menino para dormir e porque motivo ele não estava na sua caminha, mas entre a cama e a parede do outro quarto, no chão.

Publicidade

O pai admite mesmo que não se lembra do que fez até uma hora antes de ir dormir. 

Acordaram por volta do meio dia seguinte, quando o filho Alex, de dois anos, estava com a fralda suja arrancada, chorando no chão do corredor. Matthew foi trocar a fralda do menino, mesmo antes de reparar no desaparecimento do menor. Procuraram por toda a casa e foram encontrá-lo no chão do quarto de Alex. O pai não entende como é que o menino estava no quarto do irmão e não no seu, mas reconhece que só poderia ter sido ele ou a esposa a colocá-lo lá.  #Justiça #Europa #Casos de polícia