Após quase dois meses de investigação a polícia francesa conseguiu deter e prender sob custódia o principal detido do assassinato de uma jovem imigrante portuguesa. Tal como informa o site “Notícias ao Minuto”, as autoridades garantiram que o detido é um jovem de 16 anos, que andava na mesma escola que a vítima, e que sobretudo tinha alegadas motivações para querer matar a jovem, visto que a polícia considera que as provas são mais do que evidentes.

Alexia Silva era uma jovem sociável e muito extrovertida, e no início de fevereiro desapareceu às portas da sua escola. Depois de mais de um mês de buscas, o corpo da jovem foi encontrado completamente escondido com arbustos, em uma ilha deserta, sendo que as autoridades rapidamente garantiram que o #Crime se tinha tratado de um homicídio violento, possivelmente de alguém com pouca experiência dada a forma como escondeu o corpo.

Agora, e segundo a imprensa internacional com muitas evidências de ser o principal culpado do assassinato da jovem imigrante portuguesa, o jovem de 16 anos foi detido, e naturalmente vai ser interrogado e, caso a equipe de investigação assim entender, ser formalmente acusado do homicídio de Alexia Silva, juntamente com outro tipo de acusações menores como as de esconder um cadáver.

Apesar de ainda não se saber ao certo quais poderão ter sido as motivações do jovem para matar a colega de escola, a verdade é que muitas possibilidades estão sendo levantadas pelas autoridade, bem como a comunidade imigrante portuguesa que, usando as redes sociais, tenta entender o que de fato aconteceu nesse crime macabro que abalou uma região inteira francesa.

Publicidade
Publicidade

Com esse novo avanço na investigação, a família da jovem, que tem vivido muitas semanas de angústia e terror, pode estar cada vez mais perto sobre o que de fato aconteceu à jovem portuguesa de 15 anos nos muitos dias que esteve desaparecida, acabando apenas por ser encontrada já sem vida muito longe da zona onde foi levada. Novas informações serão dadas nos próximos dias pelas autoridades francesas, após vários interrogatórios. #Investigação Criminal #Emigração