A CNN Money noticiou em sua edição de terça-feira (26) que a rede social Snapchat, uma das mais populares no Brasil, está sendo acusada de ter causado um acidente de trânsito grave nos Estados Unidos. Wentworth Maynard, a vítima do trágico acontecimento, está responsabilizando o famoso aplicativo devido a uma ferramenta que permite que os seus usuários publiquem selfies indicando nas mesmas a que velocidade estão viajando.

Foi em Atlanta, no estado da Georgia, que tudo aconteceu. Wentworth Maynard seguia dirigindo o seu carro em uma autoestrada quando uma outra viatura embateu nele com muita violência. Dirigindo o outro carro estava Christal McGee, uma jovem que, alegadamente, seguia utilizando o filtro de velocidade do #Snapchat na altura do acidente.

Publicidade
Publicidade

O advogado da vítima revelou ao CNN Money que McGee pretendia publicar uma imagem dela dirigindo muito rápido. Ela estaria tentando atingir os 160Km/h, algo que conseguiu alcançar, uma vez que o embate entre os dois carros aconteceu quando a jovem já seguia a mais de 170km/h. Essa situação se torna ainda mais grave, uma vez que naquela via, o limite de velocidade é de apenas 90km/h.

O advogado de Wentworth descreve que o acidente ocorreu quando o Mitsubishi cinzento do seu cliente mudou de faixa. Como Christal McGee estava distraída com o seu telefone, não se apercebeu da manobra e acabou embatendo com muita violência no carro da vítima.

Embora Maynard Wentworth tenha sido a vítima mais grave do acidente, McGee também ficou ferida, mas nem isso a fez largar o Snapchat, uma vez que quando seguia na ambulância, deitada numa maca e coberta com sangue na cara, não resistiu em publicar mais algumas fotografias na rede social.

Publicidade

Por todas as razões já descritas, Maynard Wenthworth decidiu processar judicialmente Christal McGee e a Snapchat. A principal vítima do acidente pretende receber uma compensação financeira e que lhe sejam pagas todas as suas despesas médicas, uma vez que, além de ter ficado 5 semanas nos cuidados intensivos, ele passou a precisar de uma cadeira de rodas para se movimentar, estando hoje impedido de trabalhar como motorista Uber, a sua ocupação na época do acidente.

Snapchat já conhecia os perigos da aplicação

O advogado de acusação alega ainda que a Snapchat já conhecia os perigos do seu filtro de velocidade, uma vez que, segundo ele, já aconteceram nos Estados Unidos vários acidentes graves provocados pela utilização do mesmo. O homem que defende Wenthworth afirmou mesmo que, apesar de terem recebido várias queixas, a Snapchat recusou sempre retirar aquela opção de seu aplicativo.

O que você acha sobre esse acidente? Acha que a Snapchat pode ser considerada culpada pelos atos dos seus utilizadores? Deixe a sua opinião nos comentários! #EUA