O jovem motorista português, que vai ser acusado de doze homicídios involuntários pelo Ministério Público francês, pode também ter sido vítima do seu tio, o dono da empresa ilegal de transportes. Tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, as autoridades francesas acreditam que o jovem pode ter sido obrigado a transportar doze pessoas, sendo que metade delas não tinha qualquer tipo de segurança, apenas por causa da vontade do seu familiar. Caso se confirme as suspeitas da Polícia francesa, a pena do jovem pode ser reduzia consideravelmente dado o pesadelo e as pressões que o adolescente alegadamente sofria da sua família para contribuir no negócio ilegal e chocante dos seus familiares.

Publicidade
Publicidade

Depois de terem sido ouvidos pela primeira vez na passada quinta-feira, tanto o jovem motorista como o dono das viaturas foram novamente detidos pelas autoridades francesas, sendo que o juiz vai agora decidir se há razões para ambos aguardarem o julgamento em prisão preventiva. Mas até que ponto o jovem imigrantes português foi coagido a participar em negócio ilegal e que colocava o lucro à frente da segurança mínima dos seus clientes?

A dúvida está lançada, e tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, a prioridade agora é perceber até que ponto o jovem também não foi uma vítima do seu tio, que alegadamente até incentivava o seu sobrinho a fazer ultrapassagens de risco durante as suas viagens de 20 horas. Se o depoimento do jovem motorista estiver centrado no pesadelo que vivia no negócio da sua família, o jovem pode perfeitamente conseguir uma enorme atenuação da sua pena, que pode ir até sete anos de prisão, caso seja considerado culpado dos homicídios involuntários que vai ser acusado, juntamente com o seu tio.

Publicidade

Na verdade, e segundo avançou a imprensa internacional, a viatura onde o dono da empresa viajava na noite trágica nunca mais foi encontrada pelas autoridades, o que faz com que a Polícia francesa acredite que o português possa ter escondido a viatura para assim o Ministério Público não ter mais provas contra ele e o seu negócio macabro. Nas redes sociais, a tragédia que matou doze pessoas continuam sendo altamente debatida e cada vez mais as pessoas, tal como acontece com as autoridades francesas, que o jovem viveu um enorme pesadelo e que foi sempre uma vítima do seu tio. #Europa #Investigação Criminal #Emigração