O crime está chocando a comunidade do Texas, nos Estados Unidos da América. Um homem de 18 anos matou o enteado, a tiros, porque o menino não respeitou sua ordem. O padrasto abriu fogo contra a criança quando ela continuou pulando sobre a cama apesar de seus avisos. O tiro acertou na parte de trás da cabeça de Dominic Tra'Juan Castro, uma criança de apenas três anos. 

George Coty Wayman, apontado como o padrasto do pequeno Dominic, está sendo acusado pelo homicídio do menino, após uma breve investigação policial. O incidente aconteceu no final da tarde desta última terça-feira (17), mas a criança só teria morrido na manhã da quarta-feira (18), por não ter resistido aos graves ferimentos causados pela bala que entrou na sua cabeça. 

Inicialmente, a polícia teria sido informada de que tudo não teria passado de um acidente.

Publicidade
Publicidade

O menino estaria pulando na cama e teria caído sobre a arma, que  teria disparado contra sua cabeça. No entanto, a polícia não tardou em chegar à verdade e rapidamente perceberam que não foi isso que sucedeu, até porque existiam testemunhas que assistiram a tudo. De acordo com a polícia, George teria pedido a Dominic que parasse de pular na cama. Como o menino insistia com a brincadeira, o padrasto ameaçou que se ele não parasse, ele ia atirar nele. O que aconteceu mesmo. 

O pequeno Dominic teria continuado a brincar e o homem apontou a arma e puxou o gatilho, causando o ferimento mortal na criança. 

O homem já foi detido pelas autoridades e até já foi perante um juiz. Nesse momento, está detido preventivamente em uma cadeia de Clay County, mas pode pagar uma fiança e sair em liberdade. De acordo com o noticiário Dallas Morning News, George Wayman tem uma fiança fixada em meio milhão de dólares e, caso seja paga, o homem aguardará pelo desfecho do julgamento em liberdade.

Publicidade

No entanto, o homem deverá pegar uma pena bem severa, por esse #Crime bárbaro de tirar a vida a uma criança tão pequena. Acusado por homicídio, um crime que teve testemunhas, o castigo será sempre grave, especialmente, no estado do Texas, um dos estados americanos onde é permitida a pena de morte.  #Justiça #EUA