No início de maio o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama nomeou o vice-secretário de Defesa dos Estados Unidos, Eric Fanning, como novo secretário do exército norte americano. De acordo com informações da CNN, o novo comandante das Forças Armadas dos Estados Unidos se declara gay assumido, sendo assim será o primeiro homossexual da história a comandar o Exército americano. Ele irá comandar as operações terrestres, nos últimos anos ele trabalhou como conselheiro do então secretário Asthon Carter.

Fanning foi nomeado para o cargo devido à política que pretende incorporar a integração de homossexuais nas Forças Armadas do pais.

Publicidade
Publicidade

De acordo com antiga lei, um homossexual só recebe a oportunidade de servir o Exército depois de seguir à risca as normas de “não me pergunte, não fale”, de acordo com o antigo regulamento militar, os homossexuais somente podiam alistar-se no serviço militar sem ostentar a sua orientação sexual.

Em 2010, o senado americano aprovou uma revogação histórica a favor dos homossexuais, por mais 60 votos a favor e 30 contra, o senado americano optou pela reformulação da lei que proibia os alistamento de pessoas homossexuais, proibindo essas pessoas de ingressarem nas Forças Armadas do pais. Naquele ano a famosa lei ('Don't Ask, Don't Tell), (Não Pergunte, Não Diga), criada em 1993, foi levada à sanção pelo presidente Barack Obama. Em 2008, durante a campanha presidencial Obama defendia a revogação da lei ('Don't Ask, Don't Tell' ), essa lei era visto pelo candidato como fundamental na sua agenda política após tomar posse como presidente dos Estados Unidos em 2009.

Publicidade

Embora não tenha surtido um efeito imediato na época a lei ficou em tramitação no Congresso americano por um período de 90 dias até que fosse aprovada mudanças no novo regulamento militar do pais dando novas esperanças aos homossexuais de poder sonhar com uma carreira militar. De acordo com o relatório do Pentágono em 2009, o ingresso de homossexuais nas Forças Armadas exerceu pouco impacto nas forças de coesão que lutam no Afeganistão e Iraque. Sendo assim os democratas  que na época eram a maioria no Congresso e Senado afirmaram que aprovariam as reformas na lei militar antes de Janeiro de 2010, mas a revogação só foi aprovada em dezembro daquele mesmo ano. #Entretenimento #Opinião #Curiosidades