"Bárbaro, desumano e diabólico". Foi dessa forma que um inspetor descreveu o comportamento da assassina da pequena Keegan. A menina morreu com apenas 18 meses, após viver nove meses de 'inferno' junto de Kandyce Dower, a mulher de 34 anos que tinha sua guarda. Agora, o tribunal de Birmingham, na Inglaterra, condenou a mulher com prisão perpétua. A pena mais grave de todas da #Justiça inglesa, até porque essa mulher fez muito mais do que matar uma bebê, os maus tratos estão sendo descritos como demoníacos. 

Nessa prisão perpétua, pelo menos 18 anos teriam que ser cumpridos atrás das grades, garantiu o tribunal, que não teve mão leve na hora de condenar essa mulher.

Publicidade
Publicidade

A causa da morte foram os maus tratos sofridos pela menina. O tribunal não precisou de mais de três horas para encerrar o julgamento.

A menina britânica era filha de uma heroinômana, e por esse motivo os serviços sociais preferiram retirar sua guarda da mãe. Para não causarem muita estranheza nessa criança, acabaram preferindo entregá-la a Kandyce Dower, que ainda era familiar da mãe de Keegan. Aliás, antes de colocarem em instituição, os serviços sociais procuram, quase sempre, uma solução mais próxima, dentro da própria família. E assim foi, entregaram a criança para essa mulher, que teria quatro filhos e uma relação amorosa se desmoronando. 

E aqui entra a parte em que o serviço sociai poderiam ter falhado. A menina apresentava mais de 200 contusões quando chegou morta no hospital, o que pode indicar que eles nunca mais teriam acompanhado e observado essa bebê.

Publicidade

No total, Keegan tinha 153 cicatrizes, sete costelas partidas, uma perna fraturada, e que não foi tratada, e outras lesões nas costas e na cabeça. Apesar de todas essas marcas violentas, a menina nunca tinha ido no hospital. No tribunal, os peritos compararam as lesões dessa bebê como se ela tivesse sofrido um "violento acidente de automóvel", de tão severas que eram. 

No julgamento, Kandyce teria demonstrado "falta de emoção" após o sucedido e teria mesmo tentado acusar seu filho mais velho, de ter matado a menina. "Este é um caso extremamente angustiante e perturbador de investigar", contou o detetive Harry Harrison, citado pelo Jornal de Notícias. Após nove meses na casa de Kandyce Dower, Keegan morreu de parada cardíaca, em setembro de 2015. 

E o leitor, o que pensa desse caso? É justa a condenação para essa mulher? Comente! #Europa #Crime