A belga de 32 anos, Nathalie De Mey, foi condenada na França, nesta quinta (19), a sete anos de prisão por congelar o seu bebê. Na ação, o júri, formado apenas por mulheres, reconheceu que o estado de discernimento da ré não era normal e levou isso em conta na hora de julgar.

Mãe de duas filhas, a acusada contou que deu à luz sozinha. Sua gravidez não teve supervisão médica e ainda revelou que usou álcool na gestação. O que indica que a saúde mental dela já não estaria bem desde esta época.

"Quando me dei conta de que estava grávida, tentei encontrar uma solução com uma assistente social, mas já era tarde demais", disse a ré sob julgamento.

Publicidade
Publicidade

Segundo Nathalie, ela namorava há pouco tempo com o pai do bebê, Mark Van Tong, e em depoimento ela disse:

"No começo eu queria um filho com ele. E então, eu percebi que ele estava vivendo com outra mulher. Para mim, foi uma traição". E ainda completou: "Era uma menina, seu nome era Chloe".

Já Mark apresentou outra versão:

"Ela me disse que estava grávida. Eu disse a ela que, se fosse comigo, eu iria cuidar bem da criança", lembra ele que ainda relatou: "Foi-me dito que ela tinha dado à luz, então eu fui para casa, procurei um bebê em todos os lugares. Eu queria ver se ele era asiática, como eu." Mas na casa, nenhum vestígio da criança. "Ela me disse que era uma menina, seu nome era Chloe e ela tinha a enviado para a Bélgica". Em seguida, o advogado pergunta: "Você não procurou mais?" "Não, eu estava com raiva, eu deixei, fiquei com medo, ​​disse ele. 

Durante o seu depoimento, Nathalie chegou a admitir que congelou o bebê no dia 2 de fevereiro de 2011.  Estranhamente, ela alegou que fez isso "para não lhe causar mal".

Publicidade

E ainda descreveu com detalhes o seu parto solitário no banheiro e como colocou o bebê no congelador coberto por uma manta.

O corpo da criança foi descoberto por Mark, três meses depois. 

O julgamento ocorreu no tribunal de Aude, no sul da França e o resultado foi a condenação da ré que teve sua saúde mental deficiente constatada.  #Justiça #Crime #Doença