Barb Moles tem 80 anos e está sendo considerada uma super-avó em Seattle, nos Estados Unidos da América. Tudo porque essa mulher atirou em um assaltante que entrou em sua casa após ele ter esfaqueado seu marido. A mulher acabou matando o jovem assaltante, mas já justificou sua ação: "Eu tinha que defender minha família". As autoridades ainda não anunciaram se vão ou não responsabilizar criminalmente a octogenária. 

A morte aconteceu quando Stephen Sheppard invadiu a casa da família Moles. Barb estaria na cozinha quando ouviu uns barulhos. Quando chegou na sala viu o marido caído no chão e já uma poça de sangue junta. A avó de oito netos e bisavó de três não pensou duas vezes e foi ao quarto pegar o revólver, de calibre 38.

Publicidade
Publicidade

Assim que enfrentou o ladrão, atirou firme. Barb Moles disparou quatro vezes, acertando três tiros no assaltante, que acabou morrendo ainda no local.

O marido de Barb, que foi surpreendido pelo ladrão invadindo sua casa, foi imediatamente levado para um hospital e continua internado, recebendo cuidados médicos. O homem, também octogenário, e que foi funcionário da Boeing, está se recuperando lentamente no hospital, para onde foi transferido de helicóptero. 

Quanto a Barb, ainda não se sabe se ela terá que responder na justiça por essa morte. Ainda não existe qualquer inquérito decorrendo. Mas para a avó de Seattle, ela só fez o que "tinha que fazer", apesar de nunca em sua vida ter pensado em "tirar a vida de outra pessoa". Em declarações para o jornal KOMO News, a senhora Moles explicou o que lhe deu coragem para atirar no assaltante.

Publicidade

"Você sabe como são as mães com os filhos. É assim que eu sou com meu marido", contou Barb, revelando ainda que não se acha uma "avó típica". A verdade é que esse caso apanhou a todos de surpresa, por se tratar de uma mulher já com oitenta anos, mas põe em debate aquilo que as pessoas são capazes de fazer para protegerem aqueles que mais amam. 

E por ter o pensamento na família, Barb Moles também não esqueceu a família de Stephen Sheppard. "Eu fiz o que tinha que fazer, mas lamento muito pela família dele. Me sinto muito mal por eles", lembrou a mulher, em declarações para o jornal KOMO News.

E o leitor, o que pensa desse caso? Acha que essa mulher merece ser punida na #Justiça ou não? E o que seria capaz de fazer para proteger sua família? Comente! #EUA #Casos de polícia