Os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffman (PT-PR) e Vanessa Grazziotin (PcdoB-AM) participaram na tarde quarta-feira, 18 de maio, de uma roda de debates organizado pelo Coletivo Andorinha - Frente Democrática Brasileira de Lisboa, na capital portuguesa, Lisboa.

Todo o debate seguiu a linha condutora sobre o processo de impeachment que está em andamento no Brasil, mas a pauta não restringiu às turbulências domésticas. Muitas reflexões e questionamentos contextualizaram a crise interna com os interesses internacionais, tal como as riquezas do pré-sal.

Após a exposição dos oradores, diversas pessoas – em sua maioria da nacionalidade brasileira e que estudam ou que residem em Portugal há décadas – fizeram colocações teóricas e questionamentos aos parlamentares, dos quais percorreram o papel dos BRIC’s (bloco formado pelos países emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, em inglês South África) e as riquezas do petróleo na camada do pré-sal.

Publicidade
Publicidade

  

Comentários

O senador Lindbergh começou a rodada de respostas aos presentes e afirmou que é preciso uma “bandeira de continuidade democrática” nessa luta em favor da democracia.   

A senadora Grazziotin afirmou que “o Brasil é estrategicamente o país mais importante do mundo, não duvidem disso”, quando respondia aos questionamentos sobre o petróleo da camada do pré-sal e os interesses internacionais nessa agenda. Acerca dos BRIC’s, a senadora afirmou que o bloco é o único capaz de alterar o status quo e diminuir a hegemonia norte-americana.

Por fim, a senadora Gleisi Hoffman lembrou que no Brasil existe uma multidão silenciosa e sobre o "BBB" que existe na Câmara dos Deputados: a bancada do Boi, da Bala e da Bíblia. E afirmou sobre as conversas com os partidos políticos portugueses, lembrando que não incentivam nenhum tipo de boicote internacional ao governo Temer, visto as questões comercias envolvidas.

Publicidade

   

EUROLAT 2016 em Lisboa

Diversos políticos da América Latina participaram do encontro internacional EUROLAT (Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana) que ocorreu em Lisboa, Portugal, entre os dias 16 e 18 de maio de 2016.

Durante os três dias, parlamentares de diversos países puderam deliberar sobre as pautas em comum. Diversos representantes brasileiros, entretanto, não perderam a chance de se pronunciarem sobre a crise política que se desdobra em terras tupiniquins.

Próximos passos no Congresso Nacional

A próxima reunião que discute o processo de impeachment ocorrerá dia 24 de maio, terça-feira, no #Senado Federal sob o nome de Comissão Especial Processante.    #Crise no Brasil #Crise-de-governo