“Um dos melhores modos de se prestar homenagem às vítimas fatais das atrocidades nazistas perpetradas de modo selvagem na aldeia grega de Distomo, é preservando a memória histórica do que ocorreu e, assim, evitar que grupos neonazistas atuais se alastrem mundo afora”, sentenciou em 10 de junho, o ministro de Defesa da Grécia, Dimitris Vitsas em discurso marcando o 72º aniversário do assassinato em massa de 218 aldeões gregos pelas tropas nazistas de ocupação alemã, que aconteceu no ano de 1944. 

O ainda hoje pequenino vilarejo de Distomo, que está localizado a 105 km da capital do país, Atenas, presenciou um dos massacres bárbaros menos conhecidos na #História da humanidade; porém, não menos funesto, causado pelo exército nazista de Hitler, mais especificamente no dia 10 de  junho de 1944.

Publicidade
Publicidade

As tropas alemãs queriam vingança a qualquer preço por 3 militares nazistas que foram mortos por guerrilheiros locais dias antes em uma emboscada.

Pessoas que sobreviveram a todo esse terror narraram que nenéns de colo e mulheres grávidas foram esfaqueados e até o padre foi decapitado. Corpos eram pendurados nas árvores que ladeavam o caminho para Distomo, soldados entraram com lanças-chamas nas casas, queimando a todos vivos, além de outras atrocidades.

A cerimônia, que acontece todo ano na aldeia de Distomo, contou com a presença de inúmeras autoridades, entre elas, Nikos Voutsis, Presidente do Parlamento e o ministro Vitsas, anteriormente citado, complementou que a análise histórica da guerra se encarrega de comprovar que o acontecido na Grécia tratou-se, na realidade, não somente de um crime de guerra, mas de um crime contra toda a humanidade. 

Evangelos Apostolakis que é Almirante chefe da Esquadra Nacional Helênica também compareceu ao evento na hoje bucólica Distomo, mas que é sempre “assombrada” pelas lembranças das mortes dos seus filhos gregos.

Publicidade

O curioso é que essa é a 1ª vez que o aniversário do massacre de Distomo conta com a participação de líderes de altas patentes das forças armadas da Grécia.  #Europa #Guerra Civil