"Death to traitors, freedom for Britain", essa foi a frase dita por Mair ao ser perguntado o seu nome, durante uma audiência no último sábado, no Tribunal de magistrados de Westminster, em tradução livre algo como, "morte aos traidores, liberdade para a Grã-Bretanha ". Thomas Mair, além de se recusar a dizer seu nome correto, não respondeu quando perguntados o seu endereço e data de nascimento.

O homem foi acusado de assassinar a parlamentar Jo Cox, a mulher foi baleada e depois esfaqueada até a morte na quinta-feira (9) no norte da Inglaterra. O #Crime aconteceu em plena luz do dia e deixou a todos aterrorizados e silenciou, até mesmo, as mais violentas campanhas sobre o referendo que aconteceu no mesmo dia, o qual tratava a permanência Britânica na #União Europeia.

Publicidade
Publicidade

Cox era nome forte entre os apoiadores da permanência no bloco econômico, a morte da mulher de 41 anos, diminuiu o clima de hostilidade entre a população que se encontra dividida entre o sim e o não, ambos os lados suspenderam suas campanhas em reverência a Cox mostrando à nação que é fundamental uma campanha pacificadora e menos conflituosa. Apesar de tudo, a imprensa diz não está claro se a intenção com o assassinato era realmente impactar o referendo.

Mair foi acusado de assassinato, graves danos corporais e ainda pela posse de uma arma de fogo com intenção de cometer um crime, com vários outros encargos relacionados com a arma. A Vice-Chefe do Magistrado, Emma Arbuthnot, disse no tribunal que um relatório psiquiátrico deve deve ser realizado "tendo como base o nome que ele acaba de dar neste (tribunal)". Mair será mantido sob custódia na prisão de Belmarsh até sua próxima audiência no tribunal, marcada para segunda-feira (20) no tribunal de Old Bailey.

Publicidade

A morte de Jo Cox, é taxada como o primeiro membro efetivo do Parlamento a ser morto nos últimos 25 anos. Sob as circunstâncias, o parlamento de Westminster segue fechado e é mantido sob guarda, com previsão de ser aberto na segunda-feira ao público que queira realizar homenagens à deputada.

O crime comoveu o mundo, prova disso é o ato do presidente dos Estados Unidos Barack Obama, o presidente telefonou para o marido de Cox, do Air Force One, para expressar condolências e divulgou um comunicado elogiando o compromisso e serviço de Jo, outro manifestante da comoção foi o prefeito de Londres, publicando em seu Twitter a seguinte mensagem: “A Jo era realmente uma pessoa extraordinária, uma política brilhante, uma ótima defensora de ideias, um ser humano decente, a três dimensões, cheia de vida e que gostava de ser deputada.” #Europa