Com a decisão de abandonar a #União Europeia, o Reino Unido volta a ter suas leis de imigração mais severas. Com isso a vida de milhares de brasileiros que vivem por lá, pode ser diretamente afetada.

Segundo o portal de notícias G1, aqueles que se beneficiaram e ainda se beneficiam com o livre acesso e de circulação no bloco, terão que se submeter ao crivo das leis vigentes pela legislação nacional britânica.

A Inglaterra está fora da União Europeia

Em uma decisão que promete mudar a situação geopolítica mundial pelas as próximas décadas, o Reino Unido anunciou a saída da UE. O resultado do referendo sobre a permanência na União Europeia, foi divulgado por volta das 3h da manhã desta sexta-feira (24).

Publicidade
Publicidade

Com mais de 1,2 milhão de votos de diferença a favor da saída da UE, a população do Reino Unido deixou claro a vontade de deixar o bloco.

Como a saída do UE pode afetar os brasileiros?

De acordo com a entrevista dada a BBC Brasil, pelo consultor de imigração da Associação Brasileira no Reino Unido (Abras), Ricardo Zagotto, "Quem não tinha de passar pelo crivo da imigração vai passar a ter".

Ricardo ainda fez o seguinte alerta, aquele que tiver os critérios necessários devem permanecer, contudo os custos e as exigências devem aumentar muito.

Zagotto afirma que, "até o brasileiro europeu que ficou aqui cinco anos e pediu o documento de residência permanente está em uma situação incerta. Só está 100% tranquilo aquele brasileiro que já se naturalizou".

Hoje quem vive há mais de cinco anos no Reino Unido, pode entrar com o pedido de residência permanente, porém esta autorização, denominada como Residência Permanente para Cidadão da UE, deve deixar de valer.

Publicidade

Primeiro Ministro renunciou

Depois que o resultado do referendo foi anunciado nesta sexta-feira, o primeiro-ministro, David Cameron, afirmou que vai deixar o cargo e que o Reino Unido deve buscar um novo Premiê. O primeiro-ministro era favorável a permanência no bloco europeu. Cameron foi pessoalmente anunciar a rainha Elizabeth II sua intenção de renúncia.  #Europa