Cerca de 50 pessoas foram assassinadas em Orlando, nos Estados Unidos, em um dos mais cruéis crimes que o país já viveu e que vem chocando o mundo inteiro. O atirador foi até uma boate gay, na Flórida, e atirou sem dó. O crime bárbaro foi na madrugada deste último domingo (12), e Omar Mateen, o atirador, acabou morrendo no local durante uma troca de tiros com a polícia.

Algumas informações sobre o que teria acontecido já começam a ser reveladas. Por exemplo, momentos antes de começar a atirar nos frequentadores da boate voltada ao público LGBT, Mateen chegou a ligar para a polícia. Ao ser atendido, ele jurou fidelidade a Baghdadi, que é o líder do grupo terrorista mais perigoso do mundo, o Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

A polícia agora está investigando se quando ele deu este telefonema, já estava na boate ou a caminho.

O FBI já entrou no caso e avisou que este crime se trata de um ato de #Terrorismo e já estão sendo investigadas as relações que o atirador mantinha com o "Islã Radical". Barack Obama chegou a fazer um pronunciamento na TV em que disse que esse era um ato de "terror e ódio".

Além dos mais de 50 mortos, outras dezenas de pessoas foram levadas para hospitais próximos ao local para serem socorridos ainda durante a madrugada. Nunca os Estados Unidos tinha vivido um crime a tiros com tamanha proporção.

Em Orlando, o prefeito Buddy Dyer já declarou estado de emergência e pediu ao governo da Flórida que faça o mesmo porque a situação seria de alto risco e novos atentados poderiam acontecer nas próximas horas.

Publicidade

Por causa do grande número de feridos, alguns em estado grave, as autoridades estão solicitando a toda população que façam mais doações de sangue para que seja possível salvar a todos.

John Mina, chefe da polícia de Orlando, já avisou que uma ampla investigação será realizada para saber tudo que aconteceu no local e qual o motivo da operação terminar com tantos mortos.

O atirador usou um rifle e um revólver para fazer suas vítimas e depois fez vários frequentadores do local de reféns. Ele ainda tinha em seu corpo um dispositivo que poderia ser usado para detonar uma bomba, mas o FBI ainda está investigando.

#Violência #Ataque Terrorista