Lourenço Salvador é o primeiro filho de Miguel Ângelo Faria. Na semana passada, foi noticiado por todo o mundo que, em Portugal, nasceu um menino 107 dias depois da morte da mãe, Sandra Pedro. A mãe continuou ligada às máquinas, mesmo após ser declarada a sua morte cerebral, para que o menino pudesse ter uma chance de viver. O pai falou agora pela primeira vez e contou para o jornal Mirror sua intenção de criar o menino e sua imensa alegria cada vez que olha para o seu filho. 

Apesar da tristeza por ter perdido a companheira, Miguel Ângelo está vivendo intensamente a alegria por ser pai e está se apaixonando, a cada dia, pelo pequeno Lourenço Salvador.

Publicidade
Publicidade

Apesar de ainda não ter sentido o menino em seus braços (continua na incubadora), Miguel já se sente um pai e todos os dias tem ido ver o menino no Hospital de São José, em Lisboa. No jornal Mirror foram divulgadas as primeiras imagens do bebê, que nasceu no dia 7 de junho, por cesariana. Com pouco mais de dois quilos mas bem de saúde, Lourenço continua se recuperando e só deverá sair do hospital dentro de umas semanas. 

Depois de os pais de Sandra Pedro terem falado que seriam eles a tomarem conta do menino e que Miguel não teria condições para criá-lo, o pai aproveitou a entrevista para o jornal inglês, para repor a sua verdade. O pai de Lourenço contou que está trabalhando e que pretende criar o seu filho, agradecendo a ajuda dos avós maternos em todos os momentos. Miguel Ângelo admitiu ter sentido algum medo, especialmente porque temia que o menino pudesse nascer com alguma deficiência.

Publicidade

O que não aconteceu. Lourenço é perfeito e saudável e o pai acredita ter condições para criá-lo, mas pretende que terminem as polêmicas com os avós, para que, juntos, possam dar a melhor #Família possível para o menino que nasceu com a mãe já falecida. 

Miguel contou ainda como foi perder Sandra, relembrando o dia 20 de fevereiro, quando a mãe do seu filho começou chorando com uma forte dor de cabeça. Horas mais tarde, seria declarada a sua morte cerebral. Miguel acreditou que tinha perdido tudo, até que um médico falou que o coração do bebê de 17 semanas estava batendo. 

Depois disso, é a história que se conhece, de uma equipe médica que acreditou sempre que poderia fazer nascer esse bebê. Miguel Ângelo contou que não parou de tremer durante a cesariana e que não consegue esconder seu sorriso, cada vez que olha o pequeno Lourenço Salvador.  #Europa #sistema de saúde