A existência humana sobre a Terra é, por vezes, cercada de mistérios e enigmas, mas um desses casos, no mínimo intrigante, foi revelado poucos dias atrás na cidade de San Francisco, Califórnia, quando operários, que faziam a reforma de uma casa construída em 1936, encontraram meio que acidentalmente um pequeno caixão contendo o corpo de uma garotinha de aproximadamente 3 anos e que estava em perfeito estado de conservação, deixando todo os moradores da localidade atônitos. 

Apesar do corpo ter sido encontrado em maio, a notícia só veio à tona em 08 de junho, quando foi revelado o caso para a imprensa. O que parece cena de um filme de terror é a mais pura realidade, uma vez que os trabalhadores da construção civil, quando encontraram o caixão de bronze e chumbo, descobriram que, no seu interior, ainda resistiam os restos mortais de uma garotinha loira em um vestido na cor branca com lacinhos delicados.

Publicidade
Publicidade

Os cabelos da criança estavam enfeitados com folhas de eucalipto e rosas nas laterais, emanando um cheiro intenso de lavanda. 

Enfim, a menina tinha sido enterrada com o máximo de cuidado, provavelmente no final do século XIX. Após a fúnebre descoberta, os operários correram para fora da casa chamando por Ericka Karner, proprietária do imóvel, que estava juntos dos filhos e do marido, a qual, em um primeiro instante, também se chocou com a notícia. Ericka disse a um conhecido jornal da região o seguinte: “passado o susto, não fiquei muito surpresa, porque conhecia a história da região", reiterou a mulher. 

Mas qual é, de fato, a história da região? Já no final do século XIX, localizavam-se muitos cemitérios no distrito de Richmond, em San Francisco, justamente onde é hoje a casa dos Karner.

Publicidade

O crescimento da cidade forçou a construção de novas casas, transferindo-se os cemitérios para locais mais afastados. Abaixo da residência da norte-americana havia o cemitério de Odd Fellow's, que foi extinto ainda no final do século XIX e os corpos que ali estavam foram removidos para Colma, uma cidade vizinha, mas não se sabe o porquê, o corpo da menina de cachinhos loiros ficou para trás. 

Após isso, começou uma disputa entre Ericka e as autoridades locais que falaram que ela era a responsável pelo cadáver. Restavam 2 opções: a mulher teria de adquirir um jazigo para a menina ao custo de R$ 24 mil ou pagar ainda mais caro por uma empresa de arqueologia. Ao esperar pela decisão da justiça, o caixão com os restos mortais ficou por 10 dias nos fundos do quintal dos Karner. 

Elissa Davey, que é a fundadora da ONG Garden of Innocence (Jardim de inocência), e que cuida do enterro de crianças sem origem definida, acabou contatando Ericka, ocasião em que, finalmente, a menina pode ter o seu 2º enterro.

Publicidade

Elissa reforçou o belo gesto, afirmando que todos se esforçaram para dar à menina um enterro respeitoso como a todas as outras crianças que a ONG cuida dos enterros. 

As autoridades estão trabalhando para descobrir a origem real da garotinha encontrada, que recebeu o nome de Miranda Eve. Fios de cabelo foram retirados para testes de DNA em Davis, onde fica a Universidade da Califórnia. Há também a busca por mapas da cidade de San Fracisco, no século XIX, para correlacionar os registros dos túmulos com a casa dos Karner. Aproximadamente mais de 100 pessoas foram ao enterro da menina só por terem ouvido a história através da imprensa. #Curiosidades #EUA #Casos de polícia