O Papa Francisco afirmou que os cristãos católicos devem respeitar os gays ao invés de julgá-los. Disse que a função da #Igreja é acolher homossexuais, dando todo tipo de apoio e orientação espiritual.

Ele ainda disse que a Igreja Católica deve desculpas às mulheres exploradas e às crianças abusadas, não somente os gays. O sacerdote vem ganhando simpatia pela comunidade #LGBTpor manter um relacionamento mais próximo e sem preconceitos relacionado às escolhas e orientações sexuais das pessoas. O pontífice alertou que ninguém pode julgar, condenando as pessoas, somente Deus pode fazer isso.

Em uma outra declaração, ele afirmou que a Igreja deve ser mais compassiva com indivíduos imperfeitos, no meio católico.

Publicidade
Publicidade

Que os irmãos devem ser menos rígidos com pessoas que se divorciam, pois não se pode condená-los para sempre. Embora demonstre a mesma compaixão com os homossexuais, ele afirma que ainda considera errado união entre gays. Ele defende que a Igreja deve ter mais amor pelo próximo e ser mais misericordiosa.

Evangélicos e a homossexualidade

Em contrapartida, os representantes evangélicos no Brasil se declaram totalmente contra qualquer ato ou manifestação da comunidade homossexual no país. Alguns líderes religiosos declararam guerras, assim como Ana Paula Valadão, que, ao invés de pregar amor ao próximo, prega boicote a lojas que fazem apologia à homossexualidade, e Silas Malafaia, que está ligado à homofobia, segundo a mídia.

Silas Malafaia foi citado quando correu o massacre na boate gay, em Orlando, nos Estados Unidos, já que sempre faz declarações consideradas homofóbicas.

Publicidade

Ele se defendeu em vídeo dizendo que há pessoas que querem denegrir os evangélicos, pois eles defendem a família, são contra o aborto e a legalização de drogas. Ele afirma que nenhum grupo evangélico saiu pelo mundo fazendo justiça e matando pessoas por cometerem pecados ou transgredirem algum tipo de doutrina, como fazem os radicais do Estado Islâmico.

De acordo com ele, os princípios que gerem a moral evangélica são judaico-cristãs. Que os evangélicos e nem Deus impedem que os outros se tornem homossexuais, mas isso não quer dizer que eles não possam criticar comportamentos sexuais considerados ilícitos. Ele ratifica que opinião não é homofobia nem crime. Para ele, homofobia é dizimar gays.

Qual sua opinião? #Religião