Em pleno século XXI, diversas multinacionais estão obrigando seus trabalhadores a vestirem fraldas geriátricas. O motivo seria proibir as interrupções na produção para usarem os banheiros. Os trabalhadores da Nissan, em Caton, no Mississipi, reclamam que são obrigados a vestirem as fraldas geriátricas durante o expediente. Embora muitos se mostrem contrários à ideia, seus supervisores já informaram que aqueles que não seguirem as regras serão desligados da empresa. No início do ano, houve uma onda de protestos na cidade do Rio de Janeiro, onde os operários da construção civil protestaram contra as péssimas condições de #Trabalho impostas pela Nissan, que patrocina as Olimpíadas do Rio 2016.

Publicidade
Publicidade

Outras multinacionais também estão sendo denunciadas por abusarem de seus trabalhadores, tais como as empresas Tyson Foods e Pilgrim’s Pride, ambas ligadas a JBS que, juntas, dominam o mercado de frango dentro dos Estados Unidos. A Organização Oxfam América denunciou os casos para os órgãos de fiscalização trabalhistas por meio de um estudo. A pesquisa concluiu que mais de 200 mil trabalhadores americanos ligados a diversos setores estão sobrecarregados devido ao excesso de trabalho nas linhas de produção.

Em entrevistas com os trabalhadores, alguns reclamam que são impedidos de irem ao banheiro durante o expediente de trabalho e quem desrespeitar a ordem está sujeito à demissão. Muitos optam em beber pouca água durante a jornada. Alguns se veem obrigados a segurar a urina por horas, com intuito de manterem seus empregos.

Publicidade

Em nota, a Oxfam ressalta que tais medidas estariam violando os direitos dos trabalhadores e também viola as leis de segurança do trabalho. O grupo ainda citou alguns dados de uma pesquisa realizada em 2013, pela associação Southern Poverty Law, com sede no Alabama.

Naquela época, a pesquisa realizada sobre as condições de trabalho enfrentadas pelos americanos, concluiu que mais de 80% dos funcionários ligados a grandes companhias americanas, reclamavam de estarem proibidos por seus supervisores de irem ao banheiro. Em outra pesquisa desta vez realizada pelo grupo, Greater Minnesota Worker, divulgada em abril desse ano, concluiu-se que mais de 90% dos funcionários entrevistados afirmam terem menos de duas pausas para usarem o banheiro durante a semana.

Multinacional sul coreana

Também, em 2013, a empresa Lear, fabricante de ganchos usados para práticas de alpinismo, com sede em Seul, foi acusada de impor medidas para forçar seus trabalhadores a usarem fraldas para diminuir a perda na produção causada por constantes idas aos sanitários da empresa. O caso foi denunciado por um representante do sindicato do segmento. Daniel Durón conta que conseguiu denunciar a empresa e, após sofrer pressão das autoridades locais, a medida teve que ser interrompida. Mesmo que gere muita repercussão pelo mundo afora, a empresa tenta boicotar a fiscalização das autoridades hondurenhas. #Curiosidades #Tratamento