Carlos Gouveia, comerciante português que vivia na Venezuela, foi finalmente identificado pelas autoridades locais, depois de estar desaparecido há mais de dois meses. Tal como informa o “Jornal de Notícias”, o corpo do português foi encontrado em um estado macabro, aparecendo completamente decapitado, os raptores  cortaram as mãos e a cabeça do imigrante. As autoridades acreditam que as principais razões para o #Crime, além do possível dinheiro do resgate, seria a ligação da vítima com o negócio do aluguel de quartos na cidade.

Em um espaço de apenas 15 dias, dois imigrantes portugueses foram identificados pelas autoridades locais, depois de terem sido violentamente assassinados.

Publicidade
Publicidade

Na verdade, a polícia contabilizou cerca de 18 mil assassinatos só em 2015 em todo o país, sendo que o problema da criminalidade têm sido um grande entrave para a entrada de novos imigrantes no país, incluindo os brasileiros.

Como informa a polícia local, Carlos Gouveia estava desaparecido desde o dia 27 de maio e, apesar das autoridades terem conseguido encontrar o corpo um dia após o desaparecimento, a verdade é que o fato de estar sem mãos e cabeça dificultou muito o trabalho do laboratório na sua identificação. Tal como informa o “Jornal de Notícias”, só por causa de uma tatuagem que o imigrante tinha no corpo é que todo o processo foi concluído com êxito, após dois meses de análises.

O corpo foi enterrado sem que a sua família fosse informada, sendo que essa ação pode fazer com que um processo seja instaurado contra as autoridades responsáveis.

Publicidade

Além da questão do dinheiro, que é sempre o objetivo principal dos raptores venezuelanos, sobretudo quando se trata de estrangeiros, a verdade é que a polícia acredita que existe uma forte probabilidade da vítima ter estado em contato com um dos criminosos através do seu negócio de renda de quartos na localidade. Apesar das investigações durarem há já algum tempo, ainda nenhum responsável teria sido identificado e preso, algo que atormenta muito a comunidade imigrante portuguesa que, por meio das redes sociais, garante estar em choque por perceber que na Venezuela o homicídio violento dos seus membros têm aumentado exponencialmente nos últimos anos. #Investigação Criminal #Emigração