As autoridades policiais não possuem mais nenhuma dúvida: Omar Saddiqui era um combatente do Estado Islâmico que cometeu o crime em fidelidade ao grupo extremista. Durante o tiroteio 50 pessoas morreram e outras 53 estão hospitalizadas.

O comunicado sobre a autoria do crime veio da Agência Amaq, que é responsável por divulgar todas as informações referentes as atividades terroristas do grupo. A fonte cita mais de cem mortos e feridos. As autoridades policiais de Orlando confirmaram, até o momento, 50 vítimas mortais.

Pelas redes sociais, combatentes do EI compartilharam a foto de Omar Saddiqui Mateen, o atirador, e comemoraram o atentado contra os americanos.

Publicidade
Publicidade

Ao contrário do que alguns meios de comunicação disseram, o atentado não teria sido motivado por homofobia, mas sim como um 'recado' do #Estado Islâmico aos Estados Unidos, que além de serem considerados 'infiéis' para os extremistas, também atuam no combate ao grupo no Iraque e na Síria.

A NBC informou que policiais confirmaram que Omar chegou a ligar para o 911 (telefone de emergência) antes de executar o tiroteio, afirmando que era fiel ao grupo extremista islâmico. Pouco depois chegou a informação sobre o atentado.

No noticiário da CNN foi informado que Omar já esteve envolvido em uma investigação do FBI há tempos atrás, onde era suspeito de participar do grupo terrorista. Não foi informado se as investigações não obtiveram provas suficientes contra ele ou se ainda se encontrava em andamento.

Publicidade

O resgate

Omar fez cerca de cinquenta pessoas reféns entre 2h e 5h da manhã. Quando a polícia adentrou o local, houve troca de tiros, mas Omar foi abatido. Segundo a repórter Shannon Delaney da Fox35 News, dentre os feridos, cerca de 30 pessoas sobreviveram e foram atendidas em hospitais locais e outras 20 não sobreviveram aos ferimentos. Alguns dos feridos chegaram a conseguir fugir da boate Pulse durante o tiroteio. No momento do atentado a Casa Noturna recebia aproximadamente 320 pessoas para uma balada temática chamada 'Noite Latina'.

O crime aconteceu um dia após a cantora de vinte e dois anos, Christina Grimmie, ser assassinada na cidade enquanto dava autógrafos para fãs. #Terrorismo #Ataque Terrorista