Um #Acidente gravíssimo no Luxemburgo tirou a vida de dois jovens imigrantes portugueses, na madrugada da passada segunda-feira, dia 27 de junho. Tal como informa o “Jornal de Notícias”, a causa do acidente foi um descontrole total do condutor em uma rótula por volta das seis da manhã. As vítimas foram os jovens Rui Almeida, de 30 anos, e Vanessa Martins com 20, que morreram no momento do choque, sendo que mais outros dois jovens imigrantes estão, nesse momento, lutando pelas suas vidas: o Hugo Neves e o Herlander Duarte.

O ano de 2016 tem sido um ano muito negro para a comunidade imigrante portuguesa, sobretudo quando se fala em acidentes fatais que destruíram famílias e tiraram a vida a dezenas de jovens trabalhadores, sendo que, muitos deles apenas estavam tentando voltar ao seu país natal, se sujeitando a condições de segurança desumanas com o objetivo de apenas poupar ao máximo nas suas deslocações.

Contudo, e ao contrário do que já aconteceu no passado, o acidente arrepiante que matou dois imigrantes portugueses foi provocado por um despiste completo da viatura, que acabou ficando completamente destruída na parte frontal, demonstrando bem a violência do choque, que fez com que os outros dois passageiros do carro ficassem em estado grave, tal como informa o “Jornal de Notícias”.

Publicidade
Publicidade

Com as quatro vítimas identificadas e as famílias informadas, resta agora, às autoridades francesas tentarem perceber, através de testes de laboratório, se o álcool pode ter sido a razão principal para as seis da manhã o condutor ter perdido o controle completo do carro.

Nas redes sociais, a comunidade portuguesa, sobretudo a de Luxemburgo, garante estar chocado pelo número exponencial de acidente nas estradas europeias que têm retirado a vida aos seus imigrantes, sobretudo dos mais jovens. Devido ao aumento do número de mortes dos seus membros, a comunidade imigrante portuguesa quer agora garantir que os portugueses que viagem pela #Europa tenham o mínimo de condições de segurança, acabando, de uma vez por todas, com as viagens irresponsáveis que se faziam às centenas, sobretudo durante o período do Natal, Pascoa e férias de verão.

Publicidade

#Investigação Criminal