Gary Byrne, ex-agente do Serviço Secreto dos Estados Unidos, trabalhou na proteção da Casa Branca quando Bill Clinton era o presidente daquele país. Em entrevista à rede de notícias Fox News, para anunciar o lançamento de seu livro intitulado Crisis of Character: A White House Secret Service Officer Discloses His Firsthand Experience with Hillary, Bill, and How They Operate (Crise de Caráter: Um Oficial do Serviço Secreto da Casa Branca Revela sua Experiência em Primeira Mão com Hillary, Bill, e Como Eles Agem), Byrne fez alegações reveladoras a respeito de Hillary, ex-primeira dama e atual candidata à presidência pelo Partido Democrata.

Segundo o ex-agente, Hillary, se eleita, poderia ser uma “líder perigosa”, em função de seu temperamento explosivo.

Publicidade
Publicidade

Byrne revelou que a candidata democrata era conhecida por sua gritaria constante, e era temida por sua equipe.

Comportamento intimidador

Gary Byrne afirmou na entrevista: “As pessoas precisam conhecer a verdadeira Hillary Clinton, e quão perigoso é o comportamento dela. Ela não é uma líder”. Além disso, Byrne disse que Hillary, quando ainda era a primeira dama, não tinha o temperamento adequado para lidar, por exemplo, com a Secretaria Social da Casa Branca.

De acordo com o ex-agente, Hillary se irritava facilmente com questões políticas que tinham tempo para ser resolvidas. No entanto, ela queria tudo solucionado imediatamente, e além disso, estava sempre gritando com as pessoas à sua volta.

Certa vez, contou Byrne, a equipe de Hillary cometeu um engano, ao encomendar os convites errados para um evento.

Publicidade

O grupo que trabalhava com a então primeira dama teria ficado aterrorizado, não por causa do erro em si, mas por ter que dar a notícia a ela.

Em outra ocasião, Hillary teria repreendido Byrne por quase uma hora, mas, em seguida, apresentou-o a um grupo de pessoas do Estado do Arkansas que visitava a Casa Branca, em frente aos quais afirmou que ele era o “seu oficial favorito”, dando-lhe, inclusive, um tapinha amigável nas costas.

Até o momento, não houve qualquer declaração a respeito das alegações de Gary Byrne, nem por parte de Hillary Clinton, nem por parte de sua equipe de campanha à presidência dos Estados Unidos. #EUA #Dentro da política