Em outubro de 2015, um grupo de astrônomos da NASA detectou um padrão de luminosidade considerado anormal orbitando em torno da estrela KIC 8462852. Desde então os cientistas não sabem explicar o que está causando tal fenômeno. A explicação mais plausível refere-se à massa de um cometa que deve estar orbitando a estrela. A sujeira deixada pelo corpo celeste seria suficiente para encobrir a luz natural da estrela. Mas um novo estudo apresentou uma série de controvérsias, colocando outra vez em dúvida a possibilidade da massa de um cometa estar orbitando a estrela.

De acordo com o astrônomos, os padrões de luminosidade da KIC 8462852 variam muito.

Publicidade
Publicidade

Para eles, a outra explicação mais plausível refere-se a que um determinado momento, uma outra estrela tenha cruzado pela órbita dessa estrela, perturbando sua gravidade. Com base nos estudos, a explicação faz sentido, mas trata-se apenas de uma teoria, porém, muito mais aceita do que uma estrutura construída por alienígenas. A estrela foi batizada de Esfera Dyson, que nos filmes de ficção científica, costuma-se utilizar este nome para explicar os fenômenos relacionados às estrelas.

De acordo com a astrônoma Tabetha Boyajian, da Universidade de Yale, nos EUA, ela, em meio aos demais colegas, acabaram descobrindo que a KIC 8462852 emitiu padrões de luminosidade anormais para uma estrela normal, entre os anos 2009 a 2013. De acordo com os estudos, eles observaram os registros fotográficos dos últimos 100 anos.

Publicidade

As imagens tiradas pela Universidade de Harvard mostram que, até o momento, não encontraram nada semelhante ao fenômeno.

Utilizando um método de pesquisa diferente, divulgado para a Revista "New Scientist", os astrônomos conseguiram perceber que a estrela foi perdendo sua luminosidade de forma gradual - mais de 20% de sua luminosidade foi perdida entre os anos de 1890 e 1989. Os astrônomos descartam a hipótese de que a poeira cósmica de um cometa possa ter causada a perda de luminosidade. Segundo os pesquisadores, para tal fenômeno acontecer, seria necessário a passagem de mais 650 mil cometas com mais de 200 quilômetros de largura cada nos últimos 100 anos.

Na teoria, é basicamente impossível os astrônomos voltarem seus estudos para tentarem desvendar o mistério e descobrir de uma vez por todas o que está acontecendo na órbita da KIC 8462852.  #Curiosidades