A pior parte de se sofrer uma agressão é não ter para quem pedir ajuda, certo? Errado. Ser vítima do ódio gratuito de alguém pode ser ainda mais humilhante se a polícia ver a agressão, não fazer nada e ainda se recusar a fazer algo quando abordada.

Um episódio desse tipo aconteceu em Paris nesta quinta-feira, 16, quando dois profissionais da emissora brasileira Band foram surpreendidos pela intolerância de alguns torcedores. Sônia Blota, correspondente da Band, entrevistava torcedores poucos instantes antes do início da esperada partida entre Polônia e Alemanha.

O que Sônia e o cinegrafista Fernando Henrique não esperavam era que ao se aproximarem de um grupo de torcedores da Alemanha, os mesmos seriam vítimas de #Violência gratuita e injustificada.

Publicidade
Publicidade

Logo que foram abordados, os torcedores já começaram à empurrá-la e gritaram 'Go out Niggars', que quer dizer 'Saiam daqui, negros'.

Fernando tomou um tapa no rosto e Sônia um chute na perna. Segundo informou o noticiário da GloboNews, a polícia viu o ato de violência, mas fingiu não vê-lo. As vítimas se dirigiram até os oficiais para pedir ajuda, mas eles disseram que como Sônia e Fernando não haviam sido feridos, ele não podiam fazer nada para ajudá-los, mas que se mesmo assim quisessem ajuda policial, que registrassem uma queixa.

Sônia e Fernando registraram a ocorrência, mas retornaram para suas vidas com a 'mensagem' policial de que provavelmente ninguém seria preso pela agressão.

Bom, está certo que até no Brasil, onde o Código Penal prevê dezenas de tipos penais passíveis de prisão, boa parte dos crimes considerados de menor potencial ofensivo, como uma agressão leve, não são punidos com prisão, ainda que haja previsão.

Publicidade

O mesmo vale para crimes contra a honra, embora nesse caso o #Crime, se fosse no Brasil, não seria de injuria racial, mas sim de racismo, uma vez que houve uma clara tentativa de impedir alguém de ter acesso ao direito de ir e vir por conta de sua raça. Mas as leis penais na França são diferentes, a percepção de crimes é relativa e ainda assim o problema não é esse.

O que deixa qualquer um revoltado é ver os noticiários falando do quanto as torcidas estão tocando o terror na Eurocopa, com mais de trezentas prisões efetuadas e com forte alerta da polícia francesa e quando alguém é vítima de uma violência gratuita, eles simplesmente ignoram e dizem que nada podem fazer. Nem ao menos surgem para dar uma lição de moral nos torcedores para que os profissionais pudessem continuar trabalhando.

A jornalista tranquilizou as pessoas e disse que está bem, mas o que a pior parte da situação é a agressão moral. E alguém que se coloque no lugar desses dois consegue discordar da conclusão de Sônia?

Deixe a sua opinião sobre o ocorrido. #Casos de polícia