Cada região pelo mundo afora detém uma cultura que lhe é bastante peculiar, misturando, por vezes, o sagrado e o profano nas suas festividades, comportamentos religiosos e tradições de modo geral, ao ponto de ser difícil saber quando termina um e começa o outro. 

No hemisfério Norte há, por exemplo, o solstício do verão ou o dia mais longo do que a noite, onde povos de muitos países como Itália, Bulgária e Grécia fazem comemorações especiais acerca dessa data. Na Grécia, pequeno país dos Bálcãs, existe a vila de Klidonas, que até hoje comemora um dos seus festejos mais interessantes de todo o país, o qual é oriundo do tradicionalismo de um passado remoto. 

Trata-se da festa alusiva ao dia de Ágios Ioannis, ou o São João comemorado aqui mesmo no Brasil, que é celebrada exatamente no dia 24 de junho pelos europeus.

Publicidade
Publicidade

Entre algumas das marcas registradas dessas festividades há grupos de pessoas que saltam, sobre pequenas e grandes fogueiras.  Vale frisar que a cerimônia está diretamente relacionada aos presságios de boa sorte e adivinhação. 

 

Outra curiosidade relacionada ao evento e ao nome da cidadezinha de Klidonas é que a palavra "klidi" em grego, traduzida para o português, significa "chave", simbolizando a revelação com clareza das profecias até então ocultas. 

No dia 24 de junho as mulheres gregas solteiras da localidade têm por costume beber o que chamam de “água silenciosa” do vilarejo e, sem contar nada a ninguém, levam consigo um pote dessa água limpa, colocando um amuleto qualquer no vasilhame com água que é deixado durante a noite sob o relento para receber a luz das estrelas. 

No transcorrer do período noturno, as meninas dizem sonhar com o homem ideal que querem se casar.

Publicidade

Na manhã seguinte, o amuleto que ficou a noite inteira dentro do pote com água é retirado e levado a um músico, que por sua vez “profetiza” sobre cada um dos itens pessoais removidos dos objetos. 

Ainda durante a noite, são acesas fogueiras por toda a Grécia, para que os habitantes locais e visitantes pulem três vezes sobre as labaredas da madeira como um registro da busca pela purificação. Já no final da noite um boneco feito de feno e capim é atirado ao fogo, como se fosse um bode sacrificial utilizado pelos povos da antiguidade para que assim o mal possa ser expulso de uma vez por todas. 

Durantes os festejos há muita música, dança e comida. Enfim, é mais uma tradição da Grécia e de outros países que vale a pensa ser conhecida por todos. #Europa #Religião #Comportamento