O lutador de boxe Muhammad Ali, um dos maiores mitos mundiais de todos os tempos, morreu na noite desta sexta-feira (03), aos 74 anos, em sua casa, nos Estados Unidos. Segundo informações da imprensa norte americana, o tricampeão mundial de boxe perdeu a luta para o Mal de Parkinson, batalha que enfrentava há três décadas.

Muhammad Ali morreu em casa, próximo da família. O falecimento foi confirmado por uma porta-voz dos familiares, que agradeceu as mensagens de apoio dos fãs e admiradores de todo mundo.

O lutador, que jamais sofreu um único nocaute na sua carreira, aguentou durante 32 anos os efeitos causados pela doença degenerativa.

Publicidade
Publicidade

Dono de um histórico de 57 lutas vencidas, sendo 37 delas por nocaute, Muhammad Ali morreu deixando um enorme legado aos admiradores, ou não, do boxe mundial e cravou seu nome como um dos maiores mitos mundiais de todos os esportes.

História

Muhammad Ali deu os primeiros passou no boxe aos 12 anos de idade, quando começou a dar os primeiros socos na cidade de LouisVille, nos Estados Unidos. A lenda do boxe mundial começou a lutar por um acaso do destino. Ainda criança, ao ter sua bicicleta roubada por um ladrão, Ali afirmou a um policial que atendeu a ocorrência que daria uma surra no ladrão se o encontrasse. O policial então, afirmou que, antes de sair distribuindo socos por aí, era preciso que o garoto treinasse alguns golpes de boxe. Ali então não perdeu tempo de começou a treinar seus primeiros socos logo em seguida, destacando-se, desde então, vencendo sua primeira luta seis meses depois.

Publicidade

Muhammad Ali morreu como herói

O lutador Muhammad Ali morreu como o verdadeiro herói que demonstrou ser ainda em vida. Depois de descobrir ser portador do Mal de Parkinson, o mito usou sua fama e seus recursos para rodar o mundo, transmitindo mensagens de paz e esperança, tendo encontro com líderes mundiais, realizando ações beneficentes e levando mensagens de paz para países em guerra. Uma das suas frases mais marcantes foi “quanto mais ajudamos aos outros, mais ajudamos a nós mesmos”. O lutador ainda criou um centro cultural com o seu nome, em Louisville, para ajudar crianças e adultos em dificuldade.   #História #Internet