A morte do aviador grego, Spiros Pissanos, em 09 de junho de 2016, aos 96 anos de idade, provocou uma profunda tristeza no mundo da aviação, desse que se tornou uma lenda com os seus voos estupendos e vitórias em batalhas aéreas sobre os alemães na 2.ª Guerra Mundial. O piloto grego foi tão hábil que voou com a RAF – Royal Air Force (Força Aérea Real) britânica e também com a Força Aérea dos EUA.

Spiros nasceu em 10 de novembro de 1919 na região grega de Kolonós, filho de Nikos Pissanos, um engenheiro de Esparta e de Athena Pissanos, oriunda da ilha grega de Kefaloniá. Foi um apaixonado por aviões desde tenra idade, tanto que pegava um trem para Kifisiá e de lá ia a pé para Tatói a fim de ficar observando os aviões que faziam voos rasantes. 

Em 1938 partiu como imigrante ilegal para Nova York, tendo trabalhado como garçom e com o salário pagava pelas aulas de voo.

Publicidade
Publicidade

No início do ano de 1942, juntou-se à equipe de pilotos voluntários de língua inglesa para combater com a RAF britânica. 

Na data de 24 de outubro de 1942, os aviões American Eagles uniram-se ao 4º esquadrão de perseguição (4º grupo de caça) da força aérea norte-americana, e lá estava o grego como o único estrangeiro desse grupo, para depois, a partir daí, se tornar um cidadão norte-americano, passando a chamar-se de Steven. Após suas primeiras vitórias em combates aéreos, o 1.º tenente Steven Pissanos ficou conhecido como o “Grego Voador”.

Pissanos participou de várias incursões aéreas sobrevoando os territórios ocupados da França, Holanda, Bélgica e até sobre a Alemanha. Em 29 de janeiro de 1944, combateu em Aachen, conquistando uma dupla vitória contra os nazistas alemães. O esquadrão de Spyros (Steven) recebeu novos caças P-51B Mustang, com maior autonomia de vôo, e em 03 de março de 1943, combateu nos céus de Berlim. 

Já no início de 1944, o piloto grego quase morreu em um acidente no sul da França, fazendo um pouso forçado em um terreno irregular.

Publicidade

Steven foi escondido pela resistência francesa e lutou lado a lado com ela por 6 meses. Depois das memoráveis batalhas de Paris, o piloto retornou para o exército dos EUA; entretanto, por ter ficado tanto tempo com os franceses, não teve mais autorização para voar a fim de evitar que ele fosse eventualmente capturado e revelasse informações estratégicas aos alemães sob tortura. 

Foi promovido a Capitão e enviado como piloto de testes de aviões de combate dos Estados Unidos até a guerra terminar. Pissanos foi um dos 3 primeiros pilotos a voar no F-80. Posteriormente ele ingressou na aviação civil, sendo piloto na companhia TWA e durante o tempo em que ficou ativo, pilotou quase todos os modelos de novos cruzadores, o F-84, F-102, F-106 e F-4 Phantom. Assumiu por fim a patente de Tenente-Coronel e contribuiu com seu país de nascimento no processo de integração do F-4E Phantom para a Força Aérea Grega.

Aposentou-se em 1974, fixando residência em San Diego, EUA. Visitava a Grécia só ocasionalmente para rever a sua irmã que mora em Liossia e refazia com nostalgia o caminho da velha estrada de ferro que o levava de Kifisiá a Tatói quando era criança.

Publicidade

Descanse em paz, Spyros (Steven) Pissanos, o Grego Voador. #História #Europa #Ataque