Pelo menos 53 pessoas ficaram feridas e 50 morreram no tiroteio em Orlando, nos Estados Unidos. O massacre aconteceu na boate Pulse, na madrugada de hoje, 12 de junho. "Muitas vidas foram perdidas. Há muitos corpos no local", disseram as autoridades policiais que estão investigando o caso. Inicialmente, a informação era que 20 pessoas, aproximadamente, tinham morrido depois de um jovem atirar contra as pessoas que estavam na boate Pulse, onde os frequentadores predominantes são os gays.

O FBI classificou o massacre como ato de terrorismo. De acordo com o senador Alan Grayson, o atirador nasceu nos Estados Unidos, mas a sua família é estrangeira.

Publicidade
Publicidade

Um perfil no Twitter, de um grupo que é ligado ao Estado Islâmico, publicou uma foto que seria dele, afirmou o Reuters.

O homem abriu fogo antes de fazer várias pessoas como reféns, segundo os relatos da imprensa americana. Foram disparados muitos tiros, e o atirador estava usando um dispositivo colado ao corpo, que, evidentemente, poderia ser uma bomba.

O massacre aconteceu durante uma festa, que reuniu cerca de 300 pessoas na boate. Segundo algumas testemunhas, quando notaram os tiros, os convidados se jogaram no chão. Depois da ocorrência, a página do Facebook da casa noturna publicou uma mensagem pedindo para as pessoas correrem.

O grande número de mortos faz com que o massacre seja o maior ataque a tiros da história do país. O último foi o de 2007, que aconteceu na Universidade de Virginia Tech, que deixou 32 mortos, de acordo com a Reuters.

Publicidade

Depois do dia 11 de setembro, esse é o pior massacre dos Estados Unidos da América. “Depois que verificamos que não havia mais explosivos, conseguimos entrar e ver que o número de mortos era muito maior do que pensávamos”, disse o chefe de polícia, John Mina.

O policial que estava trabalhando como segurança na boate Pulse trocou tiros com o homem e, logo em seguida, policiais entraram na boate e, enfim, mataram o atirador. Não se sabe ao certo qual foi o momento em que o rapaz armado atirou nas pessoas. Pelo menos um dos policiais ficou ferido durante o tiroteio, mas a  polícia salvou muitas vidas, contou John Mina, numa entrevista coletiva. #Terrorismo #Violência #Ataque Terrorista